Sanatório de Juazeiro pode fechar por falta de verbas

 

O Sanatório Nossa Senhora de Fátima, localizado em Juazeiro-BA, pode encerrar as atividades por falta de verbas. Atualmente, a instituição atende pacientes da Rede PEBA, que envolve 53 municípios dos Estados da Bahia, Pernambuco e Piauí.

De acordo com os vereadores de oposição de Petrolina, as despesas mensais do sanatório giram em torno de 250 mil (Duzentos e cinquenta mil reais) por mês. A quantia é utilizada para cobrir as despesas de folha de pagamento, remédios e empréstimos.

Ainda de acordo com as informações, desde janeiro deste ano, o sanatório vem recebendo apenas 113 mil (cento e treze mil), provenientes do Governo Federal. O restante era repassado pela prefeitura de Juazeiro.

De todos os pacientes atendidos no sanatório, 30% são de Juazeiro, 15% de Petrolina e 55% dos outros municípios da rede PEBA, mas apesar disto,  as prefeituras apenas encaminham os pacientes para a unidade, sem repassar nenhum recurso ao hospital psiquiátrico, segundo os vereadores.

Por conta da situação, só no último mês, 25 dos 82 pacientes internados no sanatório já foram dispensados. A preocupação agora é que com o fechamento da unidade, dezenas de funcionários percam seus empregos e famílias fiquem desassistidas por não terem como tratarem seus familiares na rede privada.

Para discutir sobre a situação e buscar soluções para evitar o fechamento da unidade, os vereadores Major Enfermeiro, Zenildo do Alto do Cocar, Gilberto Melo e Cristina Costa, se reuniram nesta quarta-feira (07), com a direção do Sanatório Nossa Senhora de Fátima, Maria Olívia Dewilson Oliveira e Ivonete de Souza Silva Melo.

Durante o encontro ficou definido que será agendada uma reunião  entre o Ministério Público Federal, Secretárias Municipais de Saúde de Petrolina e Juazeiro e Prefeitos dos dois municípios. Os parlamentares também pretendem marcar uma audiência pública para chamar os municípios da Rede PEBA que encaminham paciente ao Sanatório nossa Senhora de Fátima.

 

Da Redação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.