Fifa confirma Brasil entre candidatos a sediar Copa feminina 2023

A Fifa revelou, nesta terça-feira (3), os oito países que mantiveram interesse na candidatura para ser sede do Mundial Feminino de Futebol de 2023, que será o primeiro a ter a participação de 32 seleções. São eles: Argentina, Brasil, Colômbia, Austrália, Japão, Coreia do Sul (essa em conjunto com a Coreia do Norte), Nova Zelândia e África do Sul. Bélgica e Bolívia saíram desta disputa.

As federações terão até 13 de dezembro para enviar para a Fifa o livro de sua candidatura, seu compromisso para ser organizador e os documentos exigidos para se converter em anfitrião da competição. Todo material será publicado no site oficial da entidade que dirige o futebol mundial.

Até esta data limite estabelecida pela Fifa, outras associações ainda poderão se candidatar. Equipes de inspeção da Fifa vão visitar os países aspirantes em janeiro e fevereiro de 2020 e a eleição da sede está prevista para maio do próximo ano.

Suécia (1995), Estados Unidos (1999 e 2003), China (1991 e 2007), Alemanha (2011), Canadá (2015) e França (2019) foram os países que organizaram os oito primeiros Mundiais disputados até hoje. As norte-americanas somam quatro taças (1991, 1999, 2015 e 2019), enquanto as alemãs foram campeãs em 2003 e 2007. Noruega (1995) e Japão (2011) também ganharam. O Brasil tem um vice-campeonato (2007) e um terceiro lugar (1999) como os seus melhores resultados.

Em 31 de julho, o conselho da Fifa aprovou por unanimidade a ampliação de 24 para 32 o número de seleções participantes em 2023, após o sucesso na edição deste ano, na França, onde os Estados Unidos venceram a Holanda, por 2 a 0, na decisão.

A seleção brasileira, que passou a ser comandada pela sueca Pia Sundhage a partir do final de julho, foi eliminada do Mundial nas oitavas de final pelas francesas. Um mês após a queda na competição, o técnico Vadão foi demitido da equipe nacional.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.