Bolsonaro tenta censurar filme com Bruna Marquezine, por chocar com seus valores morais

Exibido no último Festival de Gramado, o longa de estreia do fotógrafo Klaus Mitteldorf, ‘Vou Nadar Até Você’, que tem a atriz Bruna Marquezine como protagonista, deve chegar aos cinemas em outubro, depois de transtornos com a Agência Nacional do Cinema (Ancine).

O órgão oficial do governo federal tem por objetivo fomentar, regular e fiscalizar a indústria cinematográfica — mais particularmente a última função, após o presidente Bolsonaro implicar com produções que se chocam com seus padrões morais.

Segundo Mitteldorf, ele conseguiu terminar o filme “por milagre”, porque “o dinheiro que era para a pós-produção e o lançamento do filme foi bloqueado pela Ancine.”

Embora o filme não trate de garotas de programa como ‘Bruna Surfistinha’ – longa citado por Bolsonaro como um contraexemplo de filme que ele quer apoiado pela Ancine – Vou Nadar Até Você tem cenas de nudez de Bruna Marquezine.

A atriz também aparece numa cena fumando um baseado ao lado de Fernando Alves Pinto, que interpreta o papel de Smutter, contratado pelo pai de Ophelia para seguir seus passos na longa viagem empreendida por ela (a nado) entre Santos e Ubatuba.

No ponto de chegada mora Tedesco, fotógrafo e artista plástico que manteve uma relação amorosa com a mãe da moça. O tema do longa é mesmo a busca do pai – tanto no sentido alegórico, o de uma figura ausente da qual pouco ou nada se sabe, como físico.

Tedesco (o ótimo ator alemão Peter Ketnath), a exemplo do diretor Mitteldorf, é um fotógrafo pioneiro no registro de imagens de surfe. As referências autobiográficas não param por aí.

As duas principais autocitações são duas (belas) séries fotográficas assinadas por Mitteldorf nos anos 1990, A Morte de Ophelia (1992), recriação da tela do pré-rafaelita Millais, e O Último Grito (1998), em que a modelo Alexandra von Schwerin nada no Walchensee, lago dos Alpes bávaros, como se estivesse à beira de morte.

‘Vou Nadar Até Você’, desse modo, é uma longa reflexão sobre a morte e o paradoxo da fotografia documental – o fotógrafo pouco ou nada sabe sobre as pessoas que fotografa. Na busca pelo pai ausente, a Ophelia de Mitteldorf enfrenta uma jornada de autoconhecimento. Sofrida, bela. Santos nunca foi tão bem fotografada

Antônio Gonçalves Filho, Agência Estado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.