Promotor confirma denúncia de homicídio contra diretor do SAAE, que se defende dizendo que acusação é “armação política dos adversários”

(foto: arquivo)

Joaquim Medeiros Neto, diretor-presidente do Serviço de Água e Saneamento Ambiental (SAAE) de Juazeiro, e outros dois homens, foram denunciados pelo Ministério Público da Bahia (MPBA), pelo assassinato do coordenador da Defesa Civil do município, Adalberto Gozanga. O crime aconteceu em fevereiro de 2017.

De acordo com o MPBA, Joaquim, David Roger Paixão Reis e Gabriel Gomes Amaral foram indiciados por homicídio triplamente qualificado. O PNB conversou com Raimundo Moinhos, promotor de justiça responsável pelo inquérito, que confirmou as informações.

Moinhos informou que o inquérito foi iniciado na Polícia Civil e finalizado pelo MPBA. Entretanto, segundo o promotor, até o momento, não há elementos técnicos que justifiquem a prisão dos denunciados.

O processo já foi encaminhado para a Justiça e uma audiência, com a presença dos denunciados, deverá ser marcada em breve.

“Armação Política”

O diretor do SAAE nega a acusação. Segundo ele, em nota enviada a imprensa, MP-BA se baseou em boato espalhado pelo radialista Waltermario Pimentel, “notório inimigo político nosso e já condenado por calúnia e difamação” . O crime ocorreu no dia 23 de fevereiro de 2017. Os acusados teriam chegado em uma moto e efetuado vários disparos de arma de fogo contra a vítima, na residência dela, no bairro de Piranga.

Dizendo-se indignado com o envolvimento do seu nome no inquérito que investiga o assassinato de Adalberto Gonzaga, Joaquim Neto disse ainda que jamais teve inimizade com a vítima, “nem teria qualquer motivo para atentar contra ele, uma vez que não houve nenhuma irregularidade nos convênios da Defesa Civil e que havia encaminhado à nomeação de Adalberto na gestão que se iniciava, procedimento burocrático normal. Joaquim assegura que tem consciência tranquila, vai provar sua inocência e processar os caluniadores”, diz a nota.

“É preciso destacar que neste inquérito, folhas de 39 a 50, a viúva e o irmão de Adalberto afirmam que a morte dele deve estar ligada a um processo que ele respondia desde 2009, por tentativa de assassinato. ‘As autoridades estão sendo induzidas a erros que logo vamos procurar esclarecer’, afirma em nota o diretor do SAAE”, finaliza a nota enviada a imprensa.

Confiança

O prefeito de Juazeiro, Paulo Bomfim (PCdoB), se manifestou, através de nota, em apoio ao diretor-presidente do SAAE, Joaquim Neto.

“Conheço Joaquim, seu comportamento e sua índole. Trata-se de um homem de conduta irretocável, que sempre prezou por atitudes honestas e cidadãs. Creio firmemente que este é mais uma ataque político, vindo de uma pessoa com vasto histórico de agressões e denúncias infundadas, que induziu a promotoria a erro”, disse Paulo.

O prefeito ainda destacou a permanência de Joaquim no cargo: “Ele permanece no SAAE, local onde tem desempenhado um trabalho de excelência. A acusação é carente de fundamentos e não é justo que um homem público seja atacado, sem provas, em sua honra. Ele vai se defender e mostrar, mais uma vez, que algumas pessoas da oposição agem de forma suja e inescrupulosa”.

Da Redação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.