Garimpeiro morre após cair em mina na Serra da Quixaba, em Sento Sé

(Imagem Reprodução)

 

Um garimpeiro identificado como Aguinaldo Nascimento Silva, morreu após sofrer um acidente no garimpo da Serra da Quixaba, em Sento Sé-BA. O caso aconteceu por volta das 13h desta terça-feira (08).

Segundo informações da polícia militar, a vítima estava trabalhando em um corte, quando caiu acidentalmente. Ele chegou a ser socorrido com vida e encaminhado para o hospital da cidade, mas não resistiu aos ferimentos.

Ainda de acordo com as informações, Aguinaldo tinha 41 anos e era natural de Pindobaçu-BA. O caso será investigado pela polícia.

Esta não foi a primeira vez que um garimpeiro morre na Serra da Quixaba. No último dia 15 de agosto, dois homens morreram após o desabamento de uma mina.

As vítimas foram identificadas como Jefferson Araújo da Silva de 20 anos e Marcos André Ribeiro Martins de 42 anos. Segundo o delegado titular da cidade, Felipe Bezerra, os garimpeiros estavam extraindo ametista, a pelo menos 90 metros de profundidade no momento do desabamento.

Jefferson foi soterrado e morreu no local. Já Marcos André ainda chegou a ser socorrido com vida para o hospital de Sento Sé, mas acabou morrendo na madrugada desta quinta (15), por traumatismo tórax e abdominal por causa de complicações de uma hemorragia interna.

Outros casos:

O garimpo de ametistas funciona de forma ilegal na serra da Quixabá, em Sento Sé, desde 2017. Em junho daquele ano, três garimpeiros ficaram feridos após o desabamento de uma mina.

Após o acidente, o garimpo chegou a ser interditado pelo Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM). Em agosto, dois garimpeiros morreram após uma explosão de dinamite em uma mina.

As vítimas foram João Martins de Cordeiro Filho, de 35 anos, natural de Petrolina – PE, e Ivanilson Bezerra da Silva, de apenas 22 anos, natural de Lagoa Grande. O acidente ocorreu quando os garimpeiros realizavam explosões em um buraco e após explodir as dinamites, desceram para o local, sem perceber que ainda haviam explosivos no interior da mina.

 

Da Redação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.