Bolsonaro diz estranhar suposto silêncio de ONGs sobre manchas de óleo

presidente Jair Bolsonaro (PSL) questionou neste sábado (12) o suposto silêncio da ONU (Organização das Nações Unidas) e ONGs (organizações não governamentais) sobre as manchas de óleo em praias do Nordeste brasileiro. Em publicação no Twitter, ele disse: “Estranhamos o silêncio da ONU e ONGs, sempre tão vigilantes com o meio ambiente”.

Na mesma rede social, porém, é possível encontrar ONGs ambientais se manifestando sobre o tema. Uma das mais conhecidas delas, a WWF-Brasil vem fazendo alertas, mostrando imagens e preocupação com as consequências do vazamento de petróleo. O Greenpeace escreveu sobre as manchas de óleo no dia 10 de outubro.

A ONG Oceânica, do Rio Grande do Norte, o estado mais atingido pelo derramamento de óleo, também cobra ações para controlar os efeitos ambientais das machas, como o aumento de tartarugas marinhas cobertas de óleo que chegam ao litoral.

A imprensa nacional tem acompanhado o assunto, apontando os locais afetados, o impacto para as populações e as possíveis causas do vazamento.

Bolsonaro também declarou neste sábado que, desde de 2 de setembro, o governo busca identificar os responsáveis pelo derramamento de óleo nas praias do Nordeste.

Nesta semana, em evento a investidores internacionais, ele afirmou ter “quase certeza” de que as manchas são resultado de um ato criminoso. Especialistas ainda buscam explicações para o vazamento.

No Twitter, Bolsonaro compartilhou também um vídeo do jornalista Boris Casoy, da RedeTV, que também questiona o suposto silêncio da ONU e ONGs a respeito do fato, lembrando que essas instituições pressionavam por ações do governo brasileiro para controlar os incêndios na Amazônia há poucas semanas.

Desde o início de setembro, o número de locais atingidos pelas machas tem aumentado. Até a sexta-feira (11), ao menos 156 locais de 71 municípios em nove estados foram afetados.

Na madrugada desta sexta (11), as manchas de óleo foram identificadas em pelo menos quatro praias de Salvador. Foi a primeira vez em que manchas de petróleo foram encontradas na capital baiana, que ainda não havia sido atingida pelo derramamento que se alastra pelo Nordeste.

Folhapress

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.