Juazeiro: Diante de pandemia em ano eleitoral, população deve estar alerta sobre notícias falsas; PNB apurou e esclarece algumas que mais circulam

Coronavírus e fake news: duas pandemias que devem ser evitadas!

Além de estarmos vivenciando um período desgastante de pandemia pelo novo coronavírus, precisamos lembrar que 2020 também é ano eleitoral. O ambiente de temor experimentado pela população tem sido usado, inescrupulosamente, nas redes sociais, como palanque para aqueles que buscam votos e atenção. Vários são os grupos de WhatsApp, “blogs” e até transmissões virtuais (a moda do momento) comandados por leigos em jornalismo e com interesses particulares, que têm servido como meio de propagação de informações falsas, as fake-news.

No combate ao danoso vírus das fake-news, que se propaga rapidamente, O PNB apurou, junto a fontes oficiais, como os sites do Ministério da Saúde, Secretaria de Saúde e o Comitê de Combate à Pandemia do novo coronavírus, em Juazeiro, sobre algumas “informações” que circulam na cidade. Grande parte delas repassadas por alguns pretendentes a cargos no executivo e no legislativo municipais, com candidaturas declaradas, e também por seus seguidores e internautas, que acabam compartilhando os boatos, que viram “verdades”, e longe de servir ao interesse público, contemplam interesses eleitoreiros.

Juazeiro recebeu 20 milhões para as ações de enfrentamento a pandemia?

A informação é falsa ou, no mínimo, imprecisa. O projeto aprovado no Congresso para ajudar estados e municípios ainda não foi, sequer, sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro. Os recursos, na verdade, se destinarão, caso vire lei, a cobrir as quedas de arrecadação com ISS, FPM e ICSM. Sem ele, os prefeitos e governadores terão dificuldades para honrar suas folhas de pagamento e manter serviços públicos básicos como varrição das ruas, por exemplo.

Juazeiro deverá receber cerca de 16 milhões, parcelados em 4 meses. O valor, segundo informações obtidas junto à gestão municipal, cobrirá o rombo da queda de arrecadação. Em abril, foram cerca de 4 milhões a menos nos cofres da prefeitura.

Para investimentos no combate à pandemia da Covid-19, deverão chegar ao município pouco mais de 3 milhões, também divididos em quatro parcelas. No entanto, não há ainda previsão de quando estes recursos chegarão.

O que a prefeitura fez com os 4,9 milhões enviados pela União?

Novamente, buscamos a informação nas fontes oficiais. A Prefeitura de Juazeiro criou, com a aprovação da Câmara de Vereadores, uma dotação exclusiva para os recursos da Covid-19. Dos 4,9 milhões, aproximadamente 1,5 milhão de reais foram investidos em testes rápidos e 1,2 milhão foram destinados a aquisição de EPIs, de acordo com a assessoria. Estes mesmos recursos foram destinados ao pagamento dos serviços contratados da Pró-Matre, que passou a absorver a urgência adulta e do Hospital São Lucas, que está atendendo a pediatria.

Parte deste recurso, de acordo com a prefeitura, está sendo investido na Maternidade Municipal, que contará com uma ala exclusiva para pacientes com suspeita de coronavírus. O restante tem se destinado a aquisição de  medicamentos e outros equipamentos assessórios para o tratamento dos casos positivos.

Por que Juazeiro não fez hospital de campanha?

A Secretaria de Saúde de Juazeiro respondeu a questão. “Um hospital de campanha é uma unidade improvisada e a cidade de Juazeiro conta com estruturas mais bem preparadas do que este tipo de instalações. Por exemplo, o Hospital do Câncer, UNACON, está pronto ao lado do Hospital Regional. As duas instituições juntas têm a capacidade para até mais 400 leitos, na hipótese de aumento do número de casos.

Outras medidas já foram tomadas. Juazeiro transformou a UPA em unidade exclusiva para o coronavírus e o hospital já conta com respiradores para casos graves. Até esta quinta-feira, 21, somente duas internações foram registradas e nenhuma em estado grave. Desde a mudança no seu funcionamento, a UPA atendeu 157 somente na primeira semana”.

A direção da UPA informou que na unidade existem 5 leitos de sala vermelha, com respiradores, e mais 4 disponíveis para instalação, caso haja necessidade. Também foram instalados 8 leitos intermediários, com capacidade de expansão para 22.

Por que o município de Juazeiro não está realizando testes rápidos?

Outra questão bastante levantada nas redes sociais, com afirmações e comparações em relação ao município de Petrolina, como de costume.

Segundo a Secretaria de Saúde, “a cidade tem seguido os protocolos orientados pelo Ministério da Saúde e testado todas as pessoas que apresentam sintomas. Os profissionais de saúde da UPA, por exemplo, são testados de 15 em 15 dias, já que a unidade ficou exclusiva para atendimento de pacientes com a infecção”.

Ainda de acordo com o órgão, “A Prefeitura de Juazeiro, neste período, já recebeu mais de mil testes do Governo do Estado, adquiriu aproximadamente 700 unidades no início da pandemia e recentemente comprou mais 8.500 testes rápidos. Eles já vêm sendo utilizados e um Ponto de Coleta foi aberto na Escola Judith Leal Costa para examinar as pessoas notificadas. A UPA também serve como local de testagem para os seus pacientes”.

“Os testes rápidos são confiáveis apenas quando feitos a partir do décimo dia de início dos sintomas. Se Juazeiro, por exemplo, tiver 100 pessoas em investigação será porque um número maior não se apresentou declarando ter quadro sintomático”, exemplificou a Sesau.

A SESAU esclareceu ainda que “também utiliza outras duas modalidades de testes: o PCR e o exame sorológico”.

Os profissionais estão trabalhando sem EPIs?

No Brasil, assim como em boa parte do mundo, a escassez de equipamentos de proteção individual têm sido um enorme desafio. Em Juazeiro, porém, segundo o Comitê de Combate à Pandemia do novo coronavírus, em Juazeiro, “não têm faltado EPIs para os profissionais de Saúde vinculados ao município, inclusive nas últimas semanas relatam entrega com protocolo assinado para cada profissional com nome e matrícula dos mesmos. Na UPA, por exemplo, os profissionais contam com toda a proteção necessária e nos padrões recomendados. Algo que atesta esta informação é que 100% da equipe foi testada para o coronavírus e nenhum deles teve resultado positivo”.

O Comitê afirmou que “no início da pandemia, a Sesau fez acordo com as equipes das unidades básicas da zona rural e criou um sistema de revezamento, garantindo que os veículos que transportam os profissionais tenham espaço para evitar aglomerações e sejam sistematicamente higienizados.

Por que um número alto de profissionais de saúde acabam sendo infectados?

“Esta informação circula de forma enviesada e sempre de maneira tendenciosa. É preciso contextualizá-la. Muitos profissionais de Juazeiro têm outros vínculos nas redes privadas ou pública de outras cidades da região. Alguns dos casos relatados pela imprensa, por exemplo, são oriundos de hospitais particulares ou de trabalhadores que atuam em cidades vizinhas. No entanto, obviamente, como acontece em todo o mundo, são os profissionais da linha de frente do combate à pandemia as vítimas “preferenciais” do vírus, apesar de todos os esforços, certamente terão profissionais também contaminados. Na Itália e Espanha, os relatos de médicos e enfermeiros vitimados pela doença podem ser encontrados facilmente nos sites de notícias”, esclareceu o Comitê de Combate à Pandemia do novo coronavírus, em Juazeiro.

Da Redação

 

3 Comentários

  • Márcia de Sá disse:

    Em um momento como esse, todo mundo deve se unir.
    Deixem as pessoas trabalharem em paz.
    Deixem o Prefeito trabalhar em paz.
    Donos das fake news, vão procurar ajudar a população carente. Procurem o que fazer!
    Quero parabenizar todos profissionais da saúde e outros que estão à frente do combate ao Covid 19 e em especial, ao Sr.Prefeito Paulo Bonfim e a Secretária Lucinete Alves pelo brilhante e maravilhoso empenho.

  • Maria Verdinilde Gomes da Silva disse:

    Isso precisa ser compartilhado urgente, porque infelizmente a oposição está se aproveitando de inverdades para fazer a cabeça de pessoas menos esclarecidas.

  • Luna Gabrielle disse:

    Matéria maravilhosa!!
    Lembrando que divulgar ou propalar notícia sabidamente falsa, com o fim eleitoral, é crime, tipificado no código eleitoral, e tem pena de 2 a 8 anos; sem esquecer dos crimes de calúnia e difamação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.