Sem reforma, Museu do Sertão está em situação de abandono em PE

Paredes e prateleiras estão quebradas. Secretário afirmou há um ano que reforma iria acontecer.

museu-do-sertao-pe
A situação do Museu do Sertão, que guarda a história do homem sertanejo e da cultura de Petrolina, no Sertão pernambucano, é precária. Isso é porque a estrutura que abriga objetos de antigos moradores da cidade, estão com o forro caindo e as paredes mofadas, o que compromete a história local.
O visitante que chega até ele pode até se surpreender com o que ainda pode ser visto, mas não exatamente pelas curiosidades e sim pela condição de abandono do Museu do Sertão. As paredes estão rachadas, o teto quebrado, tem até área isolada pra visitação. Por esses problemas, o local é um dos pontos turísticos pouco visitados na cidade.

Museu do Sertão (Foto: Reprodução/ TV Grande Rio)

Museu do Sertão (Foto: Reprodução/ TV Grande Rio)

No segundo pavilhão, onde estão subdivididos temas como indústria, feira livre, artesanato local e estadual, a situação se repete. A entrada para a terceira parte do Museu do Sertão, onde fica a ala religiosa, está fechada com cadeado depois que parte do teto caiu.
Pelo menos desde 2013, a reforma do Museu do sertão está sendo aguardada. O local não passa por reforma há cerca de 10 anos. Alguns objetos, inclusive, já estão quebrados, como uma das cadeiras que integra o acervo. Em março de 2015 o secretário executivo de Cultura de Petrolina, Ozenir Luciano, explicou que a reforma seria realizada. “O governo municipal vai elaborar este plano de reforma imediatamente. O orçamento já está tomado. Vamos fazer a licitação que deve durar em torno de 90 dias e a empresa vencedora do processo já vai estar disponível para iniciá-la”, disse o secretário há um ano.
A assessoria de comunicação foi procurada para explicar quando, de fato, deverá começar a reforma do Museu, já que uma empresa ganhou a licitação para fazer a obra, mas não respondeu ao questionamento.

Fonte: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.