Seminário em Juazeiro aborda etnobiologia e conservação dos recursos naturais

 

Discutir aspectos dos recursos naturais do Semiárido, etnobiologia, povos tradicionais, conservação de áreas protegidas, produção, comercialização e conservação de mel foram alguns dos temas apresentados no II Seminário do Grupo de Pesquisa em Etnobiologia e Conservação dos Recursos Naturais que aconteceu nos dias 10 e 11 no Campus III da UNEB em Juazeiro.

Vinculado ao Programa de Pós Graduação em Ecologia Humana e Gestão Socioambiental (PPGEcoH), o evento teve a  participação de pesquisadores de diferentes áreas do conhecimento, como Biologia, Medicina, Agronomia, Geografia, Pedagogia, Direito e História, que apresentaram trabalhos a partir das suas áreas, dialogando com as temáticas propostas, de modo interdisciplinar.

Adrielle Cristina, agrônoma e mestranda do PPGEcoH apresentou um trabalho que aborda o uso publicitário-simbólico da fauna nas cidades de Juazeiro, BA e Petrolina, PE. Ela investigou o uso de imagens associadas a produtos nas fachadas e nos meios publicitários para discutir as relações sociais existentes entre homens e animais presentes em contextos simbólico-publicitários.

“É de suma importância discutir as questões sobre a relação entre homem e ambiente, pois, este consiste num fator crucial para obter êxito no planejamento e na prática de ações que visem a melhoria da qualidade de vida de homem e mulheres, bem como as questões voltadas a conservação ambiental”, pontuou.

 

A piscicultura também foi pautada através do trabalho de Daniel Ferreira Amaral, Engenheiro de Pesca e Mestrando do PPGEcoH que abordou, através de oficinas com ribeirinhos, fontes alternativas de ração, além de alertar em sua pesquisa para a degradação do Rio São Francisco.
Etnobiologia, tema central do seminário, é a ciência que estuda o conhecimento e das conceituações desenvolvidas por qualquer sociedade a respeito da biologia, estando este diretamente relacionado com a ecologia humana, enfatizando as categorias e conceitos cognitivos do grupo em estudo.

Da Redação por Juliano Ferreira

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*