Francesa adotada no Brasil aos 2 meses procura pela mãe biológica em Juazeiro e Petrolina

9 Comentários

  1. Não concordo com ela, pra que? Quando ela mais precisou ela foi adotada e amada,sou filha adotiva com orgulho,e tenho um filho adotivo para Glória de Deus, e caso não conhecesse minha família biológica seria feliz do mesmo jeito, pois tenho uma família abençoada.
    Não concordo de forma alguma ela vir contra a família adotiva,de onde ela teve apoio e amor a vida inteira.

  2. Acho que querer conhecer a mãe biológica, não significa repudiar a mãe adotiva! Todo filho adotada tem a necessidade de conhecer suas origens, sem que isso prejudique seu relacionamento de amor e gratidão com a família que a acolheu!

  3. Acho que ela deve agradecer muito a família que lhe adotou. Mas entendo que queira conhecer sua família biológica. É uma curiosidade que eu teria se tivesse sido adotada. Acho que queria saber da minha origem, ia me sentir na escuridão, não sabendo quem foram meus pais, e o que aconteceu com eles. As pessoas são diferentes, cada pessoa tem reações distintas, diante das situações que a vida lhe apresenta.

  4. qual a suposta data de Nascimento dela?
    por acaso é março?

  5. Todos nós precisamos saber as nossas origens, é natural do ser humano. Saber as razões da mãe. Desejo sinceramente que ela encontre seu passado e consiga as respostas que precisa. Deus ilumine seus propósitos.

  6. Nous sommes les parents adoptifs et nous tenions à réagir aux commentaires.
    Notre histoire est simple : c’est celle d’un jeune couple qui s’aimait et qui voulait avoir des enfants issue de notre union. 
    Comme cela n’a pas été possible, nous avons pensé à l’adoption pour fonder notre famille. 
    Notre intention était aussi de rendre heureux un enfant abandonné et lui donner tout notre amour.
    Nous n’avons jamais considéré notre fille comme un objet mais comme un être humain à part entière.  Et nous avons respecté toutes les procédures légales (Françaises et Brésiliennes ) afin de faire son bonheur et son éducation.
    Non !!! notre fille n’a jamais et ne sera jamais un objet, nous lui avons donné tout notre amour et nous sommes fiers de ce qu’elle est devenue.
    Notre fille a 34 ans et se sent prête aujourd’hui pour faire des recherches sur ses parents biologiques.
    Nous ne lui avons jamais caché la vérité de ce que l’on connaissait de ses origines. Qu’elle désire en savoir plus ne nous choquent absolument pas et nous l’avons encouragé dans ce sens dès l’âge adulte.
    Pour nous, la question n’est pas “d’être heureux ou moins heureux  en connaissant ou en ne connaissant pas ses parents biologiques”. Chaque adopté est unique : l’un recherchera ses origines et un autre ne voudra pas savoir. 
    Ce qui est important pour nous, c’est qu’elle puisse aller au bout de ses désirs pour vivre sereinement.
    Enfin, nous souhaitons que notre fille avance dans ses recherches pour qu’elle puisse un jour retrouver le fil de son histoire qui lui manque aujourd’hui et lui a manqué depuis toujours. 
     « La vie c’est comme la bicyclette: il faut avancer pour ne pas perdre l’équilibre » Albert Einstein

    • Traduzindo: Somos os pais adotivos e queríamos reagir aos comentários.
      Nossa história é simples: é a história de um jovem casal que se amava e queria ter filhos de nossa união.
      Como isso não foi possível, pensamos em adoção para fundar nossa família.
      Nossa intenção era também fazer uma criança abandonada feliz e dar-lhe todo o nosso amor.
      Nunca consideramos nossa filha como um objeto, mas como um ser humano por direito próprio. E respeitamos todos os procedimentos legais (franceses e brasileiros) para fazer sua felicidade e sua educação.
      Não! nossa filha nunca e nunca será um objeto, nós lhe demos todo o nosso amor e estamos orgulhosos do que ela se tornou.
      Nossa filha tem 34 anos e se sente pronta hoje para fazer pesquisas sobre seus pais biológicos.
      Nunca o escondemos a verdade do que sabíamos sobre suas origens. Que ela quer saber mais, não nos surpreende e nós a encorajamos nessa direção desde a idade adulta.
      Para nós, a questão não é “ser feliz ou menos feliz sabendo ou não conhecendo seus pais biológicos”. Cada um é exclusivo: um busca por suas origens e outro não quer saber.
      O que é importante para nós é que ela pode ir ao fim de seus desejos para viver com serenidade.
      Finalmente, queremos que nossa filha avance em sua pesquisa para que ela possa encontrar o fio de sua história um dia que ela não tem hoje e sempre perdeu.
      “A vida é como andar de bicicleta: devemos avançar para não perder o equilíbrio” Albert Einstein

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*