“As muriçocas em Juazeiro-BA são um problema de saúde pública e precisa de intervenção do Ministério Público”, afirma Djalma Amorim em entrevista ao Palavra de Mulher

O professor Djalma Amorim em entrevista ao Palavra de Mulher na Web. Foto: Juliano Ferreira

 

O Programa Palavra de Mulher na Web entrevistou nesta terça-feira (12), o biólogo e professor Djalma Amorim sobre o problema das muriçocas em Juazeiro-BA. Djalma foi enfático ao dizer que este “é um problema de saúde pública e que precisa de intervenção do Ministério Público”.

De acordo com o biólogo, o Ministério da Saúde preconiza que os municípios realizem seis ciclos de combate ao mosquito da dengue, o Aedes Aegypti e, por tabela, este serviço também combate outros mosquitos, porque os criadouros são comuns.

“Este trabalho é importante e deve ser realizado com rigor, cumprindo os seis ciclos. No ano passado, Juazeiro realizou três ciclos e iniciou o quarto, mas não concluiu. O que acontece é o seguinte: se combate um foco hoje, coloca o larvicida e o agente deve retornar em um prazo de dois meses, que é o período do ciclo. Se ele não retornar, a área vai ficar descoberta e cria-se ali um potencial criadouro do mosquito”, disse.

Djalma Amorim disse ainda que o fumacê é uma medida de caso extremo por conta da saúde da população e que deve ser usado com moderação. Disse que é preciso evitar os inseticidas a base de petróleo e benzeno por conter substâncias cancerígenas e que o mais indicado para a proteção individual são os repelentes e produtos a base de citronela que é um óleo vegetal.

Segundo Amorim, a queima da cana realizada pela Agrovale não pode ser desprezada, pois, por uma questão de sobrevivência das espécies, os mosquitos se dispersam pela cidade com a queimada, colaborando para o aumento e descontrole dos insetos.

A limpeza e monitoramento permanente de canais e o saneamento básico com água e esgoto que dê cobertura a toda população também são fatores que contribuem para o controle biológico das muriçocas, de acordo com o professor. O que não vem acontecendo em Juazeiro de forma sistemática, mas com ações pontuais.

O Ministério Público diz que precisa ser provocado para agir. As reclamações públicas dos moradores do município e os incômodos causados pelas muriçocas já não seriam provocações suficientes para o Ministério Público intervir a respeito do assunto?

Estamos em contato com o MP e com a Prefeitura de Juazeiro para saber quais encaminhamentos podem ser tomados a respeito deste problema que atinge toda a população juazeirense há muito tempo sem que se consiga uma solução.

Veja abaixo a entrevista com o professor Djalma Amorim ao Programa Palavra de Mulher na Web de hoje (12)

Da Redação por Juliano Ferreira

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*