Após Lei da Maconha, Uruguai tem redução nos crimes relacionados ao narcotráfico

Quatro anos depois de aprovada no Uruguai, a Lei da Maconha deixou a polêmica para trás e já produz resultados positivos em relação à segurança pública no País. O governo comemora a redução em 18% de crimes relacionados ao narcotráfico e o fim das filas nas farmácias, que sofreram com a falta de abastecimento durante o início da implementação do sistema, em julho.

Hoje, segundo a legislação, estão vigentes três formas de acesso à erva: cultivo individual de até seis plantas, clubes de cultivo (que podem ter de 15 a 45 membros) e venda em farmácias. Em todos os casos, os usuários devem ser registrados, ter mais de 18 anos e possuir nacionalidade uruguaia ou residência permanente no país.

Agora, está em curso o cultivo para a produção de remédios para a indústria farmacêutica. O próximo passo, segundo especialistas, é a liberação da venda para turistas. Pelo menos é o que crê Eduardo Blasina, diretor do Museu da Cannabis de Montevidéu: “passamos a ideia de país vanguardista, e o estrangeiro chega aqui e não pode comprar? Está errado, pois de algum modo ele chegará ao produto, via mercado ilegal, que era justamente o que se queria combater”, disse à Folha.

Bocão News

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.