Guarda Municipal e CSTT se manifestam sobre caso de servidor preso por agredir companheira, em Juazeiro-BA

O Portal Preto No Branco recebeu ontem (05), informações sobre a prisão em flagrante do guarda municipal de Juazeiro, Paulo Jean Jacob, acusado de agredir a companheira. O fato aconteceu no início da noite da segunda-feira, no bairro Alto da Maravilha.

Ele foi encaminhado a delegacia por policiais militares, com previsão de ser ouvido em audiência de custódia, nesta terça-feira (6).

Em nota, a Inspetora Chefe da Guarda Municipal de Juazeiro, Josilene da Silva Santos Lins, se manifestou sobre o caso. Ela declarou que repudia a violência contra a mulher e que vai acionar a corregedoria da GCM.

Veja a nota na íntegra:

Em relação a notícia divulgada na imprensa local acerca da suposta agressão que um guarda municipal cometeu contra sua companheira na noite desta segunda-feira (05), a Inspetora Chefe da Guarda Municipal de Juazeiro, Josilene da Silva Santos Lins, comunica que repudia veementemente qualquer tipo de violência, principalmente se for contra mulheres. Josilene informa ainda que não foi comunicada oficialmente pelas autoridades, no entanto, vai acionar a corregedoria da Guarda para apurar o fato e tomar as devidas providências. Estamos em constante debate com diversas organizações públicas e privadas acerca dos direitos humanos e do papel da mulher na sociedade, não toleramos esse tipo de comportamento, principalmente de um agente da segurança pública. Eu, como mulher, jamais serei conivente com situações dessa natureza”.

A Companhia de Segurança, Trânsito e Transporte (CSTT) também se manifestou sobre o caso.

Confira a nota na íntegra: 

A Companhia de Segurança, Trânsito e Transporte (CSTT), em nome da Guarda Civil Municipal (GCM), informa que não compactua com nenhum tipo de violência. A Assessoria Jurídica da Companhia, juntamente, com a Corregedoria da Guarda, irá acompanhar os trâmites do processo até o julgamento e, sendo condenado, o servidor em questão irá sofrer as sanções estabelecidas pelo Estatuto da GCM.

Da Redação

Um comentário

  1. Parabéns a comandante da Guarda Municipal pelo posicionamento,não se deve realmente compactuar com uma situação como essa.Sem corporativismo pra situações de violência contra a mulher.É assim que o mundo se torna igual.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*