Desigualdades, gênero e comunicação é o tema do Intercom Nordeste 2018

(foto: divulgação)

O Intercom Nordeste 2018 abrirá espaço para debates, palestras e socialização de pesquisas que promovam reflexão e um olhar diferenciado para os diversos grupos sociais em situação de vulnerabilidade social e política. Com o tema “Desigualdades, gênero e comunicação”, o congresso, que será realizado na Universidade do Estado da Bahia, em Juazeiro, busca chamar a atenção para esses assuntos que possuem grande importância na sociedade.

De acordo com dados do IBGE, um levantamento realizado entre os anos de 2015 e 2016, divulgado em março de 2018 faz uma comparação entre mulheres e homens em níveis de escolaridade, trabalho, renda e mostra que as mulheres estudam e trabalham mais que os homens, possuem maior nível de escolaridade e assim ganham menos. O estudo também revela que são as mulheres que continuam a realizar, na maioria dos casos, os afazeres domésticos, chegando a uma média de 73% a mais de horas trabalhadas do que os homens.

A diferença também é refletida entre o próprio gênero, quando há o recorte racial é possível perceber que as mulheres brancas possuem uma maior formação de nível superior, 23% delas. Por outro lado, apenas 10,4% das mulheres negras concluíram um curso superior.

Para a coordenadora do congresso, Andrea Santos, o tema “Desigualdades, gênero e comunicação” é uma grande oportunidade que o Intercom Nordeste está proporcionando, porque esse tema nunca havia sido discutido com tamanha abrangência no congresso. “A atualidade da questão de gênero, ocorre diante de discursos que nós temos percebido na própria mídia, de misoginia, desrespeito à mulher, não respeito à orientação sexual, não respeito à diversidade de gênero presentes”, conta.

Ela explica também que a relação com desigualdades se dá porque é impossível pensar a questão de gênero sem considerar os contrastes que são inerentes a alguns grupos, como os LGBTs. “As travestis que têm uma condição muitas vezes desigual em relação a outros grupos sociais, mulheres que sofrem com o feminicídio, mulheres que são de classes mais baixas, são exemplos dessa desigualdade”.

A estudante de jornalismo Iasmin Monteiro considera a temática do Intercom Nordeste bastante relevante e atual, e reflete: “estamos vivendo tempos sombrios e retrógrados em relação às pessoas que querem ter a sua liberdade e lutar por aquilo que acreditam, o tema do Intercom tem grande importância para que possamos disseminar com mais força aquilo que atinge as minorias”. Quanto às questões sociais, relativas ao tema e ao evento, ela conta que “a comunicação precisa estar atenta a essas pessoas, LGBTQ+, negras e pobres mostrando como a diversidade precisa ser respeitada e integrada no meio social”.

O Intercom Nordeste será realizado entre os dias 05 e 07 de julho de 2018, pela primeira pela vez na cidade de Juazeiro. O evento de comunicação que reúne estudantes, professores e profissionais, das diversas áreas da comunicação e de universidades de todo o nordeste, será palco dessa discussão que busca levar aos profissionais e futuros profissionais a importância desse debate sempre atual.

Outras informações sobre o congresso acesse www.intercomnordeste2018.com.br ou acesse as redes sociais @intercomne2018 e IntercomNE2018.

NAC/Uneb

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.