Situação do Hospital Regional de Juazeiro, junto ao Estado, vai parar no STF; Entenda o caso:

O juízo da Primeira Vara da Fazenda Pública de Juazeiro (BA) determinou ao estado da Bahia que cumprisse integralmente o contrato emergencial de gestão firmado com a Associação de Proteção à Maternidade e Infância de Castro Alves (APMICA) para a administração do Hospital Regional, em Juazeiro. A determinação incluía o pagamento das parcelas na data prevista e o adimplemento das parcelas em atraso, no montante de R$5.863.234,62, sob pena de bloqueio de recursos para a efetivação da medida.

A decisão, de primeira instância, destacou que o Hospital Regional de Juazeiro é o único centro de tratamento de onco-hematologia no interior da Bahia e atende a 53 municípios da rede PEBA (Pernambuco-Bahia). A inadimplência do estado vinha provocando constantes paralisações da equipe médica do hospital, que alegava falta de pagamento e condições de trabalho, inclusive de material para a realização dos procedimentos médicos.

O estado tentou reverter a liminar no Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), mas não teve sucesso. No STF, alegou que a ordem de pagamento e bloqueio de valores, sem o trânsito em julgado de sentença (quando não cabe mais recurso), contraria os princípios do contraditório e da ampla defesa. Afirmou ainda que a decisão “inviabiliza, sobretudo diante do cenário de dificuldades financeiras apresentado atualmente no país, a regular prestação de serviços públicos essenciais ao cidadão, propiciando-lhes total situação de caos e insegurança”.

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, negou o pedido do Estado da Bahia, que buscava suspender os efeitos de decisão da Justiça estadual e determinou o repasse de valores destinados ao cumprimento de contrato emergencial de gestão do hospital. Ao indeferir o pedido de Suspensão de Liminar (SL) 1134, ajuizada no Supremo pelo estado, a ministra verificou que não existe no caso risco de grave lesão à ordem, à saúde e à economia públicas.

Para a ministra Cármen Lúcia, a fundamentação exposta nas decisões da Justiça estadual revela perigo na demora inverso, ou seja, a não disponibilização dos valores demandados na ação civil pública comprometeria a continuidade do funcionamento do hospital. A ministra citou o parecer da Procuradoria-Geral da República segundo o qual, no caso, não há demonstração de grave ofensa à ordem pública e econômica do Estado da Bahia. A PGR avaliou que a determinação de bloqueio dos recursos decorreu da constatação de reiterado descumprimento, pelo estado, de contrato emergencial de gestão firmado com a APMICA para a administração do hospital, com prejuízo à continuidade dos serviços de saúde prestados pela instituição.

A ministra ressaltou informação prestada pela associação no sentido de que tem sido possível dar seguimento à prestação de serviços de saúde no hospital em decorrência dos últimos repasses resultantes da determinação judicial. Tal informação, segundo a presidente do STF, “demonstra a importância e a necessidade, nesse momento processual, da manutenção das decisões nas quais se fundamenta a exigibilidade das obrigações firmadas no Contrato de Gestão 35/2015”.

Com informações Ascom/STF

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.