“A professora Kelly Cristine foi morta por um cavalo?” Por Igor Reis

Em sua página do facebook, Igor Reis, designer gráfico, primo de Kelly Cristine, que morreu no último domingo (8) atropelada por um cavalo na Festa do Vaqueiro de Curaça, publicou um desabafo sobre a tragédia que tirou a vida da professora e na publicação, o jovem fez algumas provocações pertinentes e que merecem uma reflexão.

Veja texto na íntegra:

É um absurdo como a vida humana perdeu o valor. Uma pessoa que foi atropelada por um cavalo é culpada por “não ter atenção”. A mulher apanha do seu companheiro e é culpada por estar com ele “porquê quer”. Outra é estuprada e a culpa é dela por usar “roupas curtas” ou “dar liberdade”. O pobre que morre na favela vítima de bala perdida tem culpa porquê, “mora lá porque quer”.

Aonde vamos parar com tamanha ignorância?

A professora Kelly Cristine foi morta por um cavalo?

Não! Ela foi morta por um irresponsável que estava bêbado em cima de um cavalo (animal irracional) que o controlando fez com que o animal a atropelasse, com o impacto, ela caiu e bateu com a cabeça no meio fio da calçada e morreu logo depois.

Ontem no jornal da noite, a TV São Francisco fez uma reportagem que passou a ideia de que a culpa da morte foi dela, por não ter “tomado cuidado com o cavalo” e “estar desatenta”. Isso não me surpreende, mais uma vez a mídia televisiva mostrando a notícia de acordo com o interesse maior. Ao final da reportagem, ainda destacou que a festa dos vaqueiros de Curaçá é tradição e existe a num sei quantos anos, reforçando a idéia de que você pode ir pra lá, isso foi apenas uma fatalidade, não irá acontecer com você. Os blogs de notícia destacando que “um cavalo atropelou uma mulher”, ele não fez isso sozinho, existia uma pessoa o controlando ou o descontrolando, não se dão ao trabalho de investigar. Que ridículo!

Frequento essa festa desde os 12 anos de idade, só não fui esse ano, sempre houve esse tipo de ocorrência, vaqueiros bêbados jogando seus cavalos pra cima das pessoas. Não tenho recursos e muito menos autorização para isso, mas queria saber quantos casos parecidos foram formalmente registrados no hospital da cidade. Quantas pessoas já não levaram coices, foram pisoteadas e foram parar no hospital? Será que alguma outra já morreu?

Nas vezes que eu fui para a festa dos vaqueiros de Curaçá, foram varias as vezes que sai de perto ao ver um vaqueiro bêbado vindo com o cavalo pra cima de mim. E se eu não tivesse visto? Poderia ser eu o atropelado e morto.
Foram varias as vezes que vi pessoas passarem por mim sendo levadas nos braços para o hospital por acabarem de receber um coice, no rosto ou na barriga, nas costas, na perna, outras que tinham sido pisoteadas.

Não foi uma fatalidade!

Foi falta de organização, falta de investimento em estrutura e segurança, falta de conscientização e educação.

A prefeitura de Curaçá emitiu uma nota lamentando a morte e dizendo que a cidade foi sinalizada, indicando os locais para a passagem dos animais.
Tudo bem. Adiantou? Uma pessoa morreu!

Fiscalizem mais!
Invistam mais em segurança!
Eduquem os vaqueiros!
Criem campanhas para conscientização!
Façam mais do que fizeram!
Se não, irão morrer mais pessoas vítimas da irresponsabilidade de alguns e pela falta de segurança oferecida pela cidade que sedia o evento.

Pessoas que leram até aqui, valorizem a vida humana.
Nenhuma pessoa é atropelado por um cavalo, por ser desatenta. Nenhuma mulher é estuprada, agredida e morta porquê quer. Nenhum morador de favela morre porquê quer. Nenhuma pessoa é assaltada por ser desatenta.

Muito cuidado ao ler uma notícia e sair por aí culpando a vítima.

Não chegue a uma conclusão apenas por ler uma matéria em um blog ou por assistir uma reportagem na televisão.

Seja crítico, saiba de um fato, sempre haverá um interesse maior por trás daquela notícia ou ação.

Infelizmente a mídia funciona assim. Se existir uma mídia de notícias que seja 100% honesta, imparcial, que não atenda a interesses de terceiros e sim a coletividade e o bem de todos, me passa o contato que vou segui-la!

Valorizem a vida humana e parem de culpar as pessoas por serem as vítimas.

Um beijo no seu coração!

Igor Reis, designer gráfico, primo de Kelly Cristine 

31 Comentários

  • Angela disse:

    Concordo plenamente!!! Vale a pena repassar este texto.

  • Simplesmente, sem palavras! Só concordo com você! Meus sentimentos…

    • Daniela Mesquita Reis disse:

      A TV São Francisco infelizmente colocou no ar uma matéria fazendo da vítima a culpada por ser atropelada por um irresponsável sobre um cavalo quando saía de um restaurante da cidade. Não invertam a situação ! Foco no relato real dessa tragédia! Estou indignada como essa tragédia foi veiculada!

  • RAIMUNDO NONATO DO CARMO DO CARMO disse:

    Boa noite.
    Parabéns pelo texto.Pesar por sua prima como também pela falta de sensibilidade de parte da midia e da gestão da cidade.

  • Maria disse:

    Concordo com você, meus sentimentos!

  • Solange Dantas disse:

    Concordo, fiz essa reflexão, ontem após a reportagem da tv São Francisco, por sinal muito infeliz nas colocações, até parecia, que kelly tinha ido ao encontro do cavalo, ( muito sem conexo a reportagem ). Está de parabéns Igo, precisa sim de investigação, e quem era o vaqueiro? E ou dono do cavalo, nao se ouve falar, essa pessoa não vai ser ouvido? A sua inresponsabilidade vai ficar impune?

  • Geová dos Santos disse:

    Folou tudo parabéns suas palavras são minhas.
    Temos que ter cuidado com a vida do ser humano porque só existe uma.

  • Daniela Mesquita Reis disse:

    A TV São Francisco infelizmente colocou no ar uma matéria fazendo da vítima a culpada por ser atropelada por um irresponsável sobre um cavalo quando saía de um restaurante da cidade. Não invertam a situação ! Foco no relato real dessa tragédia! Estou indignada como essa tragédia foi veiculada!

  • Ilcé Benedito disse:

    Meu sentimentos Igor. Com.certeza você tem toda razão. Eu fui uma única vez nessa festa e isso já faz um bom tempo. E sinceramente não gostei. E não gostei exatamente por isso. A gente tinha que dividir espaço com os vaqueiros e os cavalos, sem falar em alguns que saiam correndo e chicoteando o animal no meio das pessoa. Naquele dia prometi a mim mesma nunca mais ir a tal festa.

  • Maria disse:

    Concordo com vc…devia ter horário desses cavalo está na rua , pois vejo muito irresponsável bêbado em cima de um cavalo pra cima é pra baixo colocando a vidas das pessoas em riscos,é sim não tomarem providências essa não será a última..

  • Verdade! Assistir a reportagem, a impressão é que a vítima foi a culpada. Misericórdia!

  • Dora disse:

    Precisamos está atento c o episódio q ocorreu com kelly e n deixar ser influenciado pelo meios de comunicação sem uma visão crítica da realiza. Concordo c todo esses depoimentos . Concordo plenamente c o texto

  • Nunca gostei de festa de “vaqueiros”, até porque a maioria apenas monta um cavalo para “desfilar” na cidade, e não é só em Curaçá.
    Ser vaqueiro vai além de montar em um cavalo, mesmo que vestido de “couros”.
    Acredito que os cavalos tiveram o auge da sua atividade no crescimento da humanidade, quando estávamos no início do nosso desenvolvimento. Hoje, fora de algumas poucas fazendas, eles já não cumprem o papel de antigamente. Os vaqueiros de hoje andam de moto. Aqui na caatinga, onde a vegetação se tornou ainda mais rala com as constantes estiagens prolongadas e com a exploração humana, os cavalos foram deixados de lado. Quem os cria faz por esporte ou por gostar deles.
    Quanto ao texto Igor Reia, concordo plenamente. As vítimas de hoje, as classes mais frágeis, as mulheres estão quase no papel dos seus carrascos para os insensatos. Isso é uma inversão de valores que não sabemos prever o fim.
    Que volte o bom senso, que os insensatos aprendam com a experiência humana e não a deturpem.

  • Júlio César disse:

    Que texto, infelizmente a vida humana, para muitos não tem mais valor, eu ao assistir a matéria na TV, achei estranho a maneira que eles se colocaram nesse
    Caso, como se a culpada fosse a vítima. Triste e lamentável. Deus a coloque em um bom lugar e conforte a família.

  • Isabel Cabral disse:

    Eu sei que vaquejada é cultura na nossa região, mas isso já virou uma chatice!
    Os irresponsáveis enchem o “rabo” de “pinga” e montam em seus cavalos e acham que pq é uma missa ou festa de vaqueiros eles têm o direito de sair porai desfilando sem ter atenção devida em cima de um animal.
    Esse “furdunço” com cavalos tem que acabar!
    Chega!!!!
    Meus sentimentos para toda família da vítima!

  • Leila Márcia disse:

    Organizadores irresponsáveis, não dão a mínima pra vida ,nem.mesmo dos vaqueiros,os homenageados,fui lá uma vez,nunca mais voltei,achei uma festa desorganizada,pessoas bêbadas em cima dos cavalos,tudo misturado,carros buzinando.Irresponsaveis todos os organizadores da festa.Nao foi o cavalo, foi o desumano que estava montado bêbado ,foi os organizadores.Sinto muito Kelly Cristine.Foi muito bom trabalharmos juntas.Saudades eternas.

  • Alexsandra Moura disse:

    Lindo texto, mas a realidade é essa o culpados sempre é a vítima. Esse é nosso Brasil. Ninguém respeita mas o próximo, como você disse a vida do ser humano não está valendo mas nada. Brasil vamos acordar pra esses tipos de cometário absurdos. Deus conforte todos familiares.

  • Débora disse:

    Ótima colocação. Talvez se fosse o cavalo (animal) morto atropelado por um veículo tivesse dado mais ibope neste caos de sociedade que vivemos.

  • Luciana disse:

    Verdade Igor Reis concordo plenamente com vc . E já morreu outra pessoa nessa festa vítima de atropelamento por um irresponsável em cima de um cavalo. Eu tenho esse conhecimento. Mas como pra eles o importante é a festa nem divulgam isso.

  • Aline Varjao disse:

    Concordo com vc…totalmente a morte dessa moça q eu nem conhecia não foi uma fatalidade…e sim um assassinato..e o pior q o culpado fugiu e n prestou socorro á vítima. Se fosse um acidente de percurso ele teria socorrido ela .Mais ele fingiu e ninguém sabe quem é.pra mata_la ele tava bêbado e pra fugir não ? Acredito q não foi por cachaça q ele jogou o cavalo encima dela.É q tem uns amestrados q mesmo estando sem beber fica jogando os cavalos encima da população.

  • José Adilson disse:

    Bom dia,
    A kely não é a primeira vitima fatal por atropelamento por cavalos na festa de vaqueiros.

  • Diana disse:

    A mídia tem sido irresponsável ao divulgar os fatos conforme a conveniência e a grande verdade é que não existe uma conscientização por parte dos “vaqueiros” durante os festejos e a maioria bebe demais sem ligar pra consequências, o meu primo faleceu nesta festa vitima da própria irresponsabilidade quando caiu do cavalo e fraturou o crânio, vindo a óbito logo em seguida(estava bêbado e em cima de um cavalo nesta festa). Enfim.

  • marli disse:

    Nao aconhecia mais vi a noticia , sou moradora do projeto pedra branca, fiquei muito triste com a noticia. Meus sentimentos aos familiares que o senhor conforte a todos. Quero parabenizar vc pelo que escreveu, vc tem toda razao, cadê os governantes da cidade que nao coloca mais segurança nessas festividades , e eu me pergunto que beneficio traz essas festas? vai melhorar a saude vai incentivar um jovem a sair das drogas vai incentivar a nao ingerir bebidas alcolicas ?? Nao quero ofender a ninguem so falo o que penso. fiquei muito feliz com o que vc escreveu amigo jesus te abençoe .

  • Wanderléia disse:

    Parabéns pelo belíssimo texto! Não a conhecia a professora Kelly mas ao saber da notícia de sua morte e da forma como aconteceu fiquei triste e indignada…Infelizmente como você disse no início do seu texto a vida realmente perdeu o valor…

  • Leane Muniz Léda disse:

    Concordo com você, meus sentimentos!

  • Familla micaelly disse:

    Concordo plenamente,era pra todos os vaqueiros guardarem seus cavalos depois do desfile,depois do evento dos vaqueiros e não ficarem desfilando a manhã,tarde e até mesmo a noite com esses cavalos,e o pior é q bebem de mais é esquecem q sair por aí em cima de um cavalo ainda mais bêbado pode acontecer oq acabou acontecendo,as pessoas não estão mais nem aí pro próximo,não tem mais amor uns para com os outros,poderia ser comigo,poderia ser com vc,poderia acontecer com qualquer um. Então vaqueiros vamos ser mais conscientes e pensar mais em si e no próximo,pq corre risco tanto vc como a outra pessoa q está ali pra se divertir.

  • LUIZ OTAVIO NOGUEIRA DA SILVA disse:

    Existem os cavalos de quatro patas, os de duas patas que montam os de quatro, e os de duas patas que noticiam as cavalices.

  • Ivete disse:

    Você tem razão,é importante analisar todas as questões e muitas vezes as providências de segurança são tomadas somente depois dessas tragédias.Nunca para de lutar pela Justiça!

  • Regina disse:

    Também fiz uma reflexão logo após assistir ao jornal e ver a reportagem! Fiquei indignada, porque trabalhava com Kelly e sabia o quanto ela era cuidadosa com tudo e com todos! Jamais iria se expor numa festa a ponto de chegar á morte! A mídia sempre com sua mania de transformar a vítima em culpado! Cadê o homem que matou Kelly!??? Como é o nome dele, que até agora não sabemos?? O cavalo não estava andando sozinho! Sei que nada irá diminuir nossa dor e nem trazer nossa Kelly de volta! Mas aonde está o culpado!?

  • Jezilda disse:

    Lamentável. ! Meus sentimentos para família!!!!!

  • Luciana Andrade disse:

    Eu já fui em várias festas dos vaqueiros em Curaçá e vi vários acidentes com cavalos atropelando pessoas com um irresponsável em cima bêbado. Então não foi fatalidade, se o cavalo estava ali ele estava sendo guiado por alguém.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.