“O Evangelho Segundo o Poder”, por Roberto Malvezzi

(foto: arquivo pessoal)

“Conhecereis a verdade e ela os libertará” (Jo. 8,32)

Esse é o Evangelho do Poder atual no Brasil. Mas essa é uma frase sacada de um contexto e sozinha ela não faz sentido algum, ao contrário, pode ser manipulada para defender os interesses mais escusos do coração humano. É interessante ler todo o capítulo oito, o contexto no qual Jesus a cita. Um bom entendedor saberá discernir o que Jesus quis dizer.

1 Jesus, porém, foi para o monte das Oliveiras.

2 Ao amanhecer ele apareceu novamente no templo, onde todo o povo se reuniu ao seu redor, e ele se assentou para ensiná-lo.

3 Os mestres da lei e os fariseus trouxeram-lhe uma mulher surpreendida em adultério. Fizeram-na ficar em pé diante de todos

4 e disseram a Jesus: Mestre, esta mulher foi surpreendida em ato de adultério.

5 Na Lei, Moisés nos ordena apedrejar tais mulheres. E o senhor, que diz?

6 Eles estavam usando essa pergunta como armadilha, a fim de terem uma base para acusá-lo. Mas Jesus inclinou-se e começou a escrever no chão com o dedo.

7 Visto que continuavam a interrogá-lo, ele se levantou e lhes disse: “Se algum de vocês estiver sem pecado, seja o primeiro a atirar pedra nela”.

8 Inclinou-se novamente e continuou escrevendo no chão.

9 Os que o ouviram foram saindo, um de cada vez, começando pelos mais velhos. Jesus ficou só, com a mulher em pé diante dele.

10 Então Jesus pôs-se em pé e perguntou-lhe: “Mulher, onde estão eles? Ninguém a condenou?”

11 “Ninguém, Senhor”, disse ela. Declarou Jesus: “Eu também não a condeno. Agora vá e abandone sua vida de pecado”.

12 Falando novamente ao povo, Jesus disse: “Eu sou a luz do mundo. Quem me segue, nunca andará em trevas, mas terá a luz da vida”.

13 Os fariseus lhe disseram: “Você está testemunhando a respeito de si próprio. O seu testemunho não é válido!”

14 Respondeu Jesus: Ainda que eu mesmo testemunhe em meu favor, o meu testemunho é válido, pois sei de onde vim e para onde vou. Mas vocês não sabem de onde vim nem para onde vou.

15 Vocês julgam por padrões humanos; eu não julgo ninguém.

16 Mesmo que eu julgue, as minhas decisões são verdadeiras, porque não estou sozinho. Eu estou com o Pai, que me enviou.

17 Na Lei de vocês está escrito que o testemunho de dois homens é válido. [46]

18 Eu testemunho acerca de mim mesmo; a minha outra testemunha é o Pai, que me enviou.

19 Então lhe perguntaram: “Onde está o seu pai?” Respondeu Jesus: “Vocês não conhecem nem a mim nem a meu Pai. Se me conhecessem, também conheceriam a meu Pai”.

20 Ele proferiu essas palavras enquanto ensinava no templo, perto do lugar onde se colocavam as ofertas[47]. No entanto, ninguém o prendeu, porque a sua hora ainda não havia chegado.

21 Mais uma vez, Jesus lhes disse: “Eu vou embora, e vocês procurarão por mim, e morrerão em seus pecados. Para onde vou, vocês não podem ir”.

22 Isso levou os judeus a perguntarem: “Será que ele irá matar-se? Será por isso que ele diz: “Para onde vou, vocês não podem ir”?”

23 Mas ele continuou: Vocês são daqui de baixo; eu sou lá de cima. Vocês são deste mundo; eu não sou deste mundo.

24 Eu lhes disse que vocês morrerão em seus pecados. Se vocês não crerem que Eu Sou[48], de fato morrerão em seus pecados.

25 “Quem é você?”, perguntaram eles. “Exatamente o que tenho dito o tempo todo”, respondeu Jesus.

26 “Tenho muitas coisas para dizer e julgar a respeito de vocês. Pois aquele que me enviou merece confiança, e digo ao mundo aquilo que dele ouvi.”

27 Eles não entenderam que lhes estava falando a respeito do Pai.

28 Então Jesus disse: Quando vocês levantarem o Filho do homem, saberão que Eu Sou, e que nada faço de mim mesmo, mas falo exatamente o que o Pai me ensinou.

29 Aquele que me enviou está comigo; ele não me deixou sozinho, pois sempre faço o que lhe agrada.

30 Tendo dito essas coisas, muitos creram nele.

31 Disse Jesus aos judeus que haviam crido nele: Se vocês permanecerem firmes na minha palavra, verdadeiramente serão meus discípulos.

32 E conhecerão a verdade, e a verdade os libertará.

33 Eles lhe responderam: “Somos descendentes[49] de Abraão e nunca fomos escravos de ninguém. Como você pode dizer que seremos livres?”

34 Jesus respondeu: Digo-lhes a verdade: Todo aquele que vive pecando é escravo do pecado.

35 O escravo não tem lugar permanente na família, mas o filho pertence a ela para sempre.

36 Portanto, se o Filho os libertar, vocês de fato serão livres.

37 Eu sei que vocês são descendentes de Abraão. Contudo, estão procurando matar-me, porque em vocês não há lugar para a minha palavra.

38 Eu lhes estou dizendo o que vi na presença do Pai, e vocês fazem o que ouviram do pai de vocês[50].

39 “Abraão é o nosso pai”, responderam eles. Disse Jesus: “Se vocês fossem filhos de Abraão, fariam[51] as obras que Abraão fez.

40 Mas vocês estão procurando matar-me, sendo que eu lhes falei a verdade que ouvi de Deus; Abraão não agiu assim.

41 Vocês estão fazendo as obras do pai de vocês”. Protestaram eles: “Nós não somos filhos ilegítimos[52]. O único Pai que temos é Deus”.

42 Disse-lhes Jesus: Se Deus fosse o Pai de vocês, vocês me amariam, pois eu vim de Deus e agora estou aqui. Eu não vim por mim mesmo, mas ele me enviou.

43 Por que a minha linguagem não é clara para vocês? Porque são incapazes de ouvir o que eu digo.

44 Vocês pertencem ao pai de vocês, o Diabo, e querem realizar o desejo dele. Ele foi homicida desde o princípio e não se apegou à verdade, pois não há verdade nele. Quando mente, fala a sua própria língua, pois é mentiroso e pai da mentira.

45 No entanto, vocês não crêem em mim, porque lhes digo a verdade!

46 Qual de vocês pode me acusar de algum pecado? Se estou falando a verdade, porque vocês não crêem em mim?

47 Aquele que pertence a Deus ouve o que Deus diz. Vocês não o ouvem porque não pertencem a Deus.

Roberto Malvezzi (Gogó), graduado em Estudos Sociais e em Filosofia pela Faculdade Salesiana de Filosofia, Ciências e Letras de Lorena (SP) e graduado em Teologia pelo Instituto Teológico de São Paulo.

1 comentário

  • JOÃO MELO disse:

    Oxe, oxe!

    Por quê você não nos agraciou com o seu discernimento de bom entendedor?

    Não vi mudar em nada a interpretação. Continua sendo a mesma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.