Santo Anjo Bom da Bahia, por Samuel Morais

O fotógrafo e Gestor de Marketing e Eventos, Samuel Morais, enviou essa bela contribuição para a redação do PNB, em homenagem a Irmã Dulce, beatificada em 2011 e que será a primeira brasileira declarada santa.

Santo Anjo Bom da Bahia

Pelas mãos de um argentino

Franciscano abnegado

De infinita bondade

Um papa abençoado

Exemplo de ser humano

Veio o santificado

Pela sua caridade

Deixou marca na história

O anjo bom da Bahia

Revelou seu milagre em glória

Santificada pelo papa Francisco

Por tanta misericórdia

Nunca cansou de correr

Pequena de grande coração

Soltou pipa e jogou bola

Que nem seus próprios irmãos

Mas foi jogar contra a fome

A sua maior missão

Aos pobres, deu dignidade

Alimentou e vestiu

Orgulho de todo o Brasil

Mulher de tão grande bondade

Salve nossa santidade

Dulce, baiana freira

Bendita, Dulce guerreira

Mãe dos pobres e oprimidos

Vem a nós, somos teus filhos

Santa Dulce brasileira

Por Samuel Morais/ Fotógrafo / Gestor de Marketing e Eventos

Irmã Dulce

O reconhecimento de um segundo milagre pelo Vaticano permitiu que a igreja canonize uma religiosa que conquistou a devoção dos brasileiros pelas obras de caridade que realizou na Bahia. Irmã Dulce vai ser a primeira santa nascida no Brasil.

O Vaticano reconheceu que uma mulher de Sergipe sobreviveu depois de ter sido desenganada pelos médicos.

Agora, a Igreja Católica reconheceu um segundo milagre atribuído à beata: uma pessoa cega voltou a enxergar.

Irmã Dulce, a Maria Rita Lopes Pontes nasceu em 1914, em Salvador. Formou-se professora e tornou-se freira. Virou mãe dos pobres, dos moradores de rua, dos doentes:

O reconhecimento de um segundo milagre pelo Vaticano permitiu que a igreja canonize uma religiosa que conquistou a devoção dos brasileiros pelas obras de caridade que realizou na Bahia. Irmã Dulce vai ser a primeira santa nascida no Brasil.

A devoção do aposentado Osvaldo Lima à irmã Dulce começou 14 anos atrás, quando ele se recuperou de uma cirurgia para tratar um câncer. “Eu fiz minha oração para irmã Dulce. Aí, eu senti uma energia, uma energia forte dela”, contou.

Irmã Dulce foi beatificada em 2011. O Vaticano reconheceu que uma mulher de Sergipe sobreviveu depois de ter sido desenganada pelos médicos.

Agora, a Igreja Católica reconheceu um segundo milagre atribuído à beata: uma pessoa cega voltou a enxergar.

Maria Rita Lopes Pontes, Irmã Dulce, o anjo bom da Bahia, nasceu em 1914, em Salvador. Formou-se professora e tornou-se freira, transformando-se na mãe dos pobres, dos moradores de rua e dos doentes.

O começo de uma história que culminou no complexo conhecido como Obras Sociais Irmã Dulce, onde são realizados 3,5 milhões de atendimentos por ano, 100% pelo SUS.

Irmã Dulce morreu em março de 1992, deixando uma lição viva de amor ao próximo, cidadania e solidariedade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.