Selecionados

O nosso homem bomba: uma explosão de verdades por Djalma Andrade

Trata-se de um episódio que, aos poucos, vai desaparecendo da mídia, dos comentários e, portanto, da seriedade dos fatos. Aliás, troquemos o termo seriedade dos fatos por piada dos fatos; pois, como é de costume, parece que o nosso humor perdeu a sensibilidade da realidade, e aí assuntos sérios são levados na gracinha, transformados em piadas e risos. Conforme canta Frejat, que descubramos “que rir é bom, mas que rir ...

Ler mais »

“Amigo, vem comigo a ver minha terra. Entremos, aqui é Rodelas! (João Justiniano da Fonseca) por Fernando Almeida Filho

Quero hoje, nesse dia 31 de Julho, parabenizar minha terra, minha cidade, Rodelas, pelo seu 54º aniversário de emancipação política, e o seu povo guerreiro e trabalhador. Este povo que é meu um mimo de pobre e de bom, que é meu de sangue e coração” (João Justiniano da Fonseca), pelas vitórias e conquistas. Não sou filho de nascimento, no entanto, adotei esta terra como minha pátria mãe desde sempre. ...

Ler mais »

Sobre política, prostituição e assassinato por Ivânia Freitas

  Ela está em todos os lugares das organizações sociais mais ‘progressistas’ até os tribunais mais ostentosos. Dentro das famílias ou nas empresas.  Nas escolas e até nas igrejas! Revela-se desde as palavras que ‘escorregam’ na língua, porque não a dominam, até aquelas rebuscadas e pouco entendidas, adquiridas para ‘ostentar’ vocabulário. A velha política só muda de roupa, mas, tem os mesmos ranços e até as mesmas táticas. Da sandália ...

Ler mais »

“Lêdo Ivo me representa. Estamos diante de uma grave agressão à nossa identidade cultural”, desabafou Beto Borges

Lêdo Ivo me representa Lêdo Ivo é um dos mais expressivos artistas do São Francisco. Ele é aquele que eternizou, em esculturas, as lendas do Rio São Francisco. Com ele, o Nego D’agua e a Mãe D’agua emergiram das aguas do Velho Chico para um convívio permanente com os ribeirinhos de Juazeiro e Petrolina. As cidades modernas, já com ares de metrópoles, reavivaram parte de suas tradições culturais. São duas ...

Ler mais »

O silêncio na sala de estar-Por Álamo Pimentel

O silêncio age como dispositivo que orienta nossos gestos e ações. Quanto menor for o grupo, maiores serão os efeitos do silêncio da produção de fronteiras sociais. Nas sociedades do presente revela-se como um operador de engrenagens que além de fortalecer limites para a autogestão de pequenos grupos sociais, produz transposições da vida pública para a vida privada. Os debates que antes ocupavam as ruas e praças das cidades desaparecem ...

Ler mais »

...

Da televisão à internet e os interesses do mercado por Ivânia Freitas

“Vivemos um período de sincronização de todas as linguagens e de quase todas mídias que já foram inventadas pelo ser humano”. Essa frase de Lucia Santaella em seu livro – ‘Culturas e Artes do pós Humano: da cultura das mídias à cibercultura’ nos provoca a pensar que vivemos em um tempo ‘incomum’ e fantástico, onde as formas de comunicação mudaram, avançaram, saíram do lugar e modelaram a forma como nos ...

Ler mais »

...

40 anos de Raimundo Fagner- Por Carlos Castro

E um som novo vem lá do Norte. O ano é 1973, uma voz inconfundível acompanhada por instrumentos irreparáveis dão o tom de uma musicalidade diferente que passa a chamar a atenção dos ouvidos brasileiros. Já gravado por notáveis como Elis Regina, Wilson Simonal e Ivan Lins, era chegada a hora de dar vazão ao enorme talento com sua voz própria, estilo de cantar marcante, determinante do sucesso iminente. Agora ...

Ler mais »

...

Ofício de Fateira por Álamo Pimentel

  O trabalho humano transforma a natureza ao mesmo tempo em que transforma, produz e expande diferentes expressões da nossa humanidade. Na semana em que Juazeiro comemora os seus 138 anos de emancipação política, elegi o ofício das fateiras como símbolo da cidade que me ensinou a ver o mundo com um pé no Rio São Francisco e o outro na Caatinga. As fateiras constituem um grupo social cada vez ...

Ler mais »

...

“Não podemos mais tolerar o que dura” por Ivânia Freitas

A solidez dos fatos, dos atos, dos modos, das roupas, das músicas, dos gestos, dos afetos, das relações de trabalho, das organizações, das propostas, das indagações, das sensações, da palavra. Tudo que pode durar parece ser hoje descartável, evitado, temido. A opção tem sido pelo que Bauman chama de ‘liquidez’ dos tempos. O tempo onde tudo é rápido, não resiste mais do que poucos segundos, poucas horas, poucos dias, poucos ...

Ler mais »

...

Rebeldias Criativas por Álamo Pimentel

  A ocupação dos espaços públicos na defesa de direitos sociais na história mais recente do nosso país produz a expansão de rebeldias criativas. A contestação das estruturas de dominação socioeconômica e a produção de subjetividades coletivas capazes de compor novos arranjos sociais para uma vida pública mais democrática e mais justa conferem múltiplos tons, discursos e performances a uma série histórica de acontecimentos que marcam a nossa entrada no ...

Ler mais »

...