Juazeiro: muriçocas infernizam, Aedes Aegypti adoece a população, que reclama da falta de ações efetivas para combater os mosquitos

O problema das muriçocas é uma velha e constante reclamação dos moradores de Juazeiro, no Norte da Bahia. Mas, este ano, a situação está ainda pior. De acordo com diversos relatos, a infestação de mosquitos está mais intensa na maioria dos bairros da cidade. Moradores do bairro Alto do Cruzeiro, por exemplo, relatam que a partir das 17h, as casas são invadidas pelos mosquitos.

“O que era ruim, conseguiu ficar pior. Agora as muriçocas aparecem ainda durante a tarde, e cada vez em maior quantidade. Não estamos conseguindo nem ficar dentro de casa, sem ser picado várias vezes. É um transtorno muito grande. O que está acontecendo em Juazeiro? O poder público não está vendo isso?”, questionou um morador.

Cleise Santos, moradora do Alto da Maravilha, também reclamou do problema que é geral e questionou o poder público “Esse problema é em consequência da falta de limpeza dos canais. Juazeiro é cercado de canais de esgoto a céu aberto, que ficam cheios de lixo. Não limpam constantemente, passam dias sem fazer a limpeza e os moradores também não contribuem, e não existe fiscalização. Além disso, o carro fumacê só passa aqui uma vez ou outra perdida”, disse Cleise.

Dona Vitória Silva, moradora do bairro Dom Tomaz teme que a maioria dos mosquitos seja o Aedes Aegypti, causador de doenças como a dengue, chikungunya e zika.

“Aqui na minha rua passa um canal e a situação em relação as muriçocas é insuportável. Ninguém aguenta mais. Além disso, acredito que a quantidade de mosquitos da dengue que circulam por aqui seja grande. Eu e minha família estamos com os sintomas, mesmo com medo por conta do novo coronavírus, procurei o posto e a médica só mandou ir para casa e tomar dipirona. Por isso, acredito que muitas pessoas estão com a dengue, mas não tem a confirmação”.

Alguns moradores também enviaram vídeos para a nossa redação. Veja:

 

 

 

Desde o início do ano até o momento, Juazeiro já registrou 1149 notificações para casos suspeitos de dengue, com 106 confirmações. Os números são bem maiores dos que foram registrados em todo o ano de 2019, que teve 369 casos notificados e 73 confirmados, segundo a Secretaria Municipal de Saúde.

O órgão afirmou, em nota ao PNB, que “tem intensificado as ações de combate ao Aedes aegypti, no município em decorrência do grande número de notificações efetuadas nos últimos meses”.

“Além da passagem de carro fumacê e da visita de agentes de endemias nas residências (sem entrar no domicílio), realizadas rotineiramente, a prefeitura realiza a limpeza de canais há cada 3 meses como medida para evitar a propagação do mosquito”, informou a Sesau.

Sobre o crescimento na quantidade de mosquitos na cidade, a Secretaria atribui a situação “às chuvas rotineiras que não são previstas para o período e que estão acontecendo no município, principalmente no interior”.

A Sesau destacou ainda que cada morador precisa cuidar de seu lar, fazendo limpeza dos espaços evitando que os objetos sirvam de acúmulo de água e seja berço para reprodução do mosquito. “A população pode acionar a visita dos agentes de endemias através do número 74-99198 3057 (WhatsApp) que funciona de segunda a sexta feira em horário comercial”.

Mesmo com as citadas ações do órgão responsável, a população continua sofrendo com a infestação das muriçocas e do Aedes, o que pode apontar a ineficácia dos métodos utilizados. Na prática, a população não está sentindo os efeitos das ações desenvolvidas. Ou seja, não está dando resultados.

 

Da Redação

1 comentário

  • Ítalo disse:

    Sou morador do bairro Alto do Cruzeiro e confirmo a situação descrita acima. Está horrível!!!… Apartir das 17hs aparecem em enxame os pernilongos(muriçocas) invadindo nossas casas. Não é com carro de fumaça(que há dias não aparece) ou com limpeza esporádicas de canais que acabamos com as muriçocas e, dessa maneira,
    resolvendo essa ENDEMIA.

    Deve o poder público investir em: 1)saneamento básico que acaba com os canais(antes muitos eram riachos) fecais a céu aberto; 2)fechamento de alguns canais e reformar os demais para voltarem a serem riachos não poluidos, que atualmente defragram no Rio São Francisco; 3)colocar no currículo das escolas de Juazeiro-BA de maneira interdisciplinar ações socioeducativas para Educar a população sobre a higiene ambiental da nossa cidade. Para, só assim, temos paz nas nossas residências!.

    Sobre os depoimentos das autoridades afirmo que tecer discursos demagógicos e paliativos é fácil para uma população pouca letrada e possuidora de uma ‘cultura do silêncio’ como bem fala Paulo Freire. Voltar o problema desse surto Endemico de saúde pública/coletiva ao fato de chover acima do esperado é muita falta de respeito para com a população juazeirencie.

    Por fim antes de adotarem um discurso que a secretaria de saúde não tem verba para fazer a reforma ou não ser possuidora de tal autônomia, saliento nas minhas propostas -acima – o trabalho conjunto de pelo menos três secretarias municipais: secretária de Saúde(SESAU), Secretária de educação(SEDUC) e Secretária de obras e Desenvolvimento Urbano.

    Obs: Desculpem os erros, escrever por celular é difícil para mim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.