“Me dê meu filho! Eu preciso dele, vivo ou morto”, pede mãe de um dos jovens desaparecidos, durante manifestação em Petrolina

(foto: arquivo pessoal)

Durante manifestação realizada na tarde desta segunda-feira (29), em Petrolina, no Sertão de Pernambuco, familiares e amigos de Lucas de Araújo Moura, de 19 anos, e Antônio Carlos Neves Junior, de 21 anos, cobraram respostas sobre os jovens, que estão desaparecidos há quase um mês. Os amigos foram vistos pela última vez na madrugada do dia 3 de junho, no bairro Dom Avelar.

No ato, realizado no semáforo em frente a sede da Prefeitura de Petrolina, no Centro da cidade, os manifestantes pediram investigação policial para o caso. Em um desabafo emocionante, a mãe de Antônio Carlos pediu por notícias do filho. “Me diz onde ele está. Me liga, me deixa um bilhete, faz qualquer coisa, mas me dê meu filho de volta. Eu preciso dele, vivo ou morto. Eu tenho o direito de vê-lo”, pediu.

A mãe de Lucas de Araújo também fez um apelo por informações sobre o filho. “Peço à autoridades, ao judiciário, que por favor, veja o sofrimento de duas mães. A gente precisa de notícias. A  gente não come, não dorme. Estamos vivendo só pela fez”, desabafou.

O PNB solicitou ao delegado responsável pelo caso, Gregório Ribeiro, informações sobre o andamento das investigações, mas até o fechamento desta matéria, não obtivemos respostas.

No último dia 17 de junho, em entrevista ao PNB, o delegado declarou que a investigação estava em evolução e que se tratava de uma “investigação complexa, que provavelmente demandará um maior tempo”. Na época, o titular disse ainda que ainda não pode afirmar que se tratava de crime de homicídio.

(foto: arquivo)

O caso

Os amigos foram vistos pela última vez na madrugada do dia 3 de junho, no bairro Dom Avelar, em Petrolina. Testemunhas relataram que os jovens foram abordados por homens encapuzados e armados com fuzis, que se identificaram como policiais. Os dois jovens foram espancados e levados pelo grupo, juntamente com o carro de um dos rapazes. Os familiares chegaram a realizar buscas na delegacia, presídio, hospitais e no IML, mas os jovens ainda não foram encontrados.

Da Redação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.