“Sou daltônico”, diz Bolsonaro em Dia da Consciência Negra

Em texto mais longo do que usual (1.826 caracteres mais espaços), o presidente Jair Bolsonaro expressou pouco depois das 23h de 6ª feira (20.nov.2020) o que pensa sobre percepção de preconceito contra negros no Brasil. Disse ser “daltônico” e que “todos têm a mesma cor”.

Bolsonaro passou a 6ª feira, Dia da Consciência Negra, em silêncio a respeito do episódio que resultou na morte por espancamento de João Alberto Freitas, 40 anos, conhecido como Beto pelos amigos, num supermercado Carrefour em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. Na longa postagem na internet, não mencionou Beto.

A seguir, uma imagem da série de tweets de Bolsonaro na 6ª feira à noite, na qual o presidente escreve as pessoas que “instigam o povo à discórdia, fabricando e promovendo conflitos” promovem ações “contra a nação”. O raciocínio prossegue: “Quem prega isso, está no lugar errado. Seu lugar é no lixo!”.

A morte de João Alberto Freitas precipitou uma uma série de protestos antirracistas pelo país. Assista aqui aos vídeos que mostram o momento em que Beto foi espancado e depois as reações pelo país.

Na 6ª feira às 7h22, o presidente havia postado uma foto de Edson Arantes do Nascimento, o Pelé. O ex-jogador de futebol mostra na imagem uma camisa do Santos com uma dedicatória a Bolsonaro:

O vice-presidente Hamilton Mourão comentou na 6ª feira a morte de Beto. Disse que não há racismo no Brasil e usou várias vezes a expressão “pessoas de cor” para se referir a negros. “Aqui não existe ódio racial. O que há é desigualdade”, declarou, antes de comparar o Brasil aos Estados Unidos: “Morei nos EUA, vi coisas que nunca tinha visto no Brasil”.

ÍNTEGRA
Eis o texto completo do que escreveu Bolsonaro pouco depois das 23h na 6ª feira (20.nov.2020), Dia da Consciência Negra, numa série de posts no seu perfil no microblog Twitter:

“O Brasil tem uma cultura diversa, única entre as nações. Somos um povo miscigenado. Brancos, negros, pardos e índios compõem o corpo e o espírito de um povo rico e maravilhoso. Em uma única família brasileira podemos contemplar uma diversidade maior do que países inteiros.

“Foi a essência desse povo que conquistou a simpatia do mundo. Contudo, há quem queira destruí-la, e colocar em seu lugar o conflito, o ressentimento, o ódio e a divisão entre classes, sempre mascarados de “luta por igualdade” ou “justiça social”, tudo em busca de poder.

“Estamos longe de ser perfeitos. Temos, sim, os nossos problemas, problemas esses muito mais complexos e que vão além de questões raciais. O grande mal do país continua sendo a corrução moral, política e econômica. Os que negam este fato ajudam a perpetuá-lo.

“Não adianta dividir o sofrimento do povo brasileiro em grupos. Problemas como o da violência são vivenciados por todos, de todas as formas, seja um pai ou uma mãe que perde o filho, seja um caso de violência doméstica, seja um morador de uma área dominada pelo crime organizado.

“Existem diversos interesses para que se criem tensões entre nosso próprio povo. Um povo unido é um povo soberano, um povo dividido é um povo vulnerável. Um povo vulnerável é mais fácil de ser controlado. E há quem se beneficie politicamente com a perda de nossa soberania.

“Não nos deixemos ser manipulados por grupos políticos. Como homem e como Presidente, sou daltônico: todos têm a mesma cor. Não existe uma cor de pele melhor do que as outras. Existem homens bons e homens maus. São nossas escolhas e valores que fazem a diferença.

“Aqueles que instigam o povo à discórdia, fabricando e promovendo conflitos, atentam não somente contra a nação, mas contra nossa própria história. Quem prega isso, está no lugar errado. Seu lugar é no lixo!”.

Poder 360

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.