Professores transformam websérie produzida pela Cia Biruta em recurso didático

 

Em meio à pandemia do novo coronavírus, com as escolas ministrando aulas remotas ou em formato híbrido, os professores estão buscando recursos que ajudem a dar mais dinâmica para a rotina com suas turmas. Nesse cenário, a websérie “Contando o Rio Opará – Histórias para navegar” vem conquistando educadores de diversas áreas, que perceberam no projeto uma maneira de relacionar o conteúdo pedagógico com o cotidiano do semiárido, onde vivem seus alunos.

A websérie, produzida com incentivo da Lei Aldir Blanc, através do Edital de Criação, Fruição e Difusão (LAB PE), da Secretaria de Cultura do Estado de Pernambuco, coloca em cena o imaginário ribeirinho e a discussão sobre identidade. Esse é um dos diferenciais apontados pelos educadores para utilização do material. “Como recurso didático, ela possibilita não só o reconhecimento das narrativas, como oferece elementos estéticos e simbólicos que, além de poéticos, trazem familiaridade com o que já está sendo contado”, avalia a professora de Arte do Instituto Federal do Sertão Pernambucano (IFSertão), Edneide Torres, ressaltando os elementos narrativos e a representatividade que as histórias trazem. “Nos vídeos é possível explorar o cenário, as marionetes de papel, a forma como os narradores vão se transformando em personagens e também a trilha sonora, de Carlos Hiury e Moésio Belfort, que possibilita uma experiência rica pelas diversas sonoridades”, completa.

Edneide ainda dá dicas de como os professores e arte-educadores podem utilizar o conteúdo. “Usar a websérie nas aulas é uma forma de trabalhar as lendas para além do folclore e apreciar as histórias como uma forma de ampliar o repertório das crianças”. Nessa perspectiva, segundo a professora, cabem atividades como o reconto, pesquisas com a família e a invenção de outras histórias inspiradas nos recursos usados na série.

Experiências 

Para o professor de artes, Paulo de Melo a inserção do conteúdo no seu planejamento enriqueceu a aula. “Eu recomendei que os alunos assistissem à série. Eles teriam que escolher um episódio e comentar o que assistiu. A maioria assistiu todos e alguns fizeram produção artística a partir das histórias”, conta educador. Paulo revela também a sua motivação em usar a websérie como ferramenta didática. “Eles estão acostumados com histórias da cinderela, mas as lendas da terra eram desconhecidas. No final, além de gerar assunto para o caderno de artes deles, conseguimos fazer uma reflexão sobre o lugar”, relata Paulo.

Professora de ballet desde os 18 anos, Lara Rabelo conta que há alguns anos começou a refletir sobre a diversidade dos referenciais que são ofertados às crianças. “Observo que, muitas vezes, professores e professoras de ballet focam somente em ‘mundos encantados da Disney’ e esquecem a riqueza e o encanto da nossa cultura, e em como podemos transformar e resignificar a dança dentro desse lugar. Utilizei um dos contos da websérie com alunas de 3 a 6 anos, para conhecermos a história, identificarmos elementos e transformá-los em dança. A troca foi muito interessante, elas fizeram perguntas, falaram sobre o rio e suas experiências com suas famílias nesse lugar tão nosso, o rio São Francisco”.

A websérie está disponível gratuitamente no canal da Cia Biruta no YouTube (https://www.youtube.com/user/ciabiruta).

Episódios:

Ep. 01 – A Lenda de Irati

https://www.youtube.com/watch?v=u5r7WEq_ZeQ

Ep. 02 – Os mistérios do Nego D’água

https://www.youtube.com/watch?v=suzXMs6qkNo

Ep. 03 – A serpente da Ilha do Fogo

https://www.youtube.com/watch?v=I-dSBGmGaQA

Ep. 04 – O encanto da Mãe D’água

https://www.youtube.com/watch?v=fPnvLOevnwI

Ep.05 – A lenda do Rio que dorme

https://www.youtube.com/watch?v=GUE1wW0cyo8

Siga a Cia Biruta de Teatro nas redes sociais

Instagram: <https://www.instagram.com/ciabiruta/>

Facebook: <https://www.facebook.com/ciabirutadeteatro/?epa=SEARCH_BOX>

YouTube: < https://www.youtube.com/user/ciabiruta>

Ficha Técnica:

Direção: Antonio Veronaldo

Textos: Antonio Veronaldo, Cristiane Crispim e domínio público

Roteiro: Antonio Veronaldo, Camila Rodrigues e Cristiane Crispim

Direção de arte: Antonio Veronaldo e Cristiane Crispim

Elenco: Amanda Martins; Antonio Veronaldo; Camila Rodrigues; Cristiane Crispim; Leticia Rodrigues; Val Nunes; Yasmin Rabelo

Figurinos: Leticia Rodrigues

Trilha Musical: Carlos Hiury e Moesio Belfort

Iluminação: Amanda Martins

Produção executiva: Cristiane Crispim

Comunicação em mídias sociais: Camila Rodrigues e Leticia Rodrigues

Assessoria de imprensa: Eneida Trindade e Mariana

Programação visual/Gravação e edição: Abajur Soluções

Apoio Cultural: Cultura Inglesa, RIPA – Rede interiorana de produtores, técnicos e artistas de Pernambuco e Secretaria Executiva de Cultura de Petrolina

Incentivo: Secretaria de Cultura do Estado de Pernambuco/ Edital Criação, Fruição e Difusão – Lei Aldir Blanc –PE.

Eneida Trindade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.