Ex-funcionários da Cinemateca listam acervo perdido e criticam governo

Ex-funcionários da Cinemateca listam acervo perdido e criticam governo

 

Arquivos de órgãos extintos do audiovisual brasileiro, como a Embrafilme, a Empresa Brasileira de Filmes, o Instituto Nacional do Cinema e o Concine, o Conselho Nacional de Cinema. Documentos do arquivo Tempo Glauber, que reúne diários, anotações pessoais e cartazes originais do cineasta baiano Glauber Rocha. Matrizes e cópias de cinejornais, filmes documentais, filmes domésticos e de ficção.

Um primeiro inventário do acervo guardado no depósito da Cinemateca Brasileira na Vila Leopoldina, na zona oeste de São Paulo, potencialmente destruído ou danificado pelo incêndio que atingiu o galpão na última quinta-feira, está no manifesto lançado nesta sexta por ex-funcionários da instituição.

Eles criticam o edital lançado pelo governo Bolsonaro “sem debate, ferramentas de transparência, a participação da população, de pessoas da área de patrimônio cultural e, principalmente, do coletivo dos ex-trabalhadores da instituição”.

Segundo o documento, essa “não será a solução”, já que o modelo de gestão por organização social se mostrou falho. “É preciso estabilidade e garantia de equipe técnica a longo prazo, oferecendo à instituição um orçamento compatível com os necessários serviços de preservação e difusão do audiovisual brasileiro.”

O manifesto, assinado por trabalhadores da Cinemateca Brasileira, denuncia “a ausência de quaisquer trabalhadores de documentação, preservação e difusão” na instituição. “Seguramente, muitas perdas poderiam ter sido evitadas se os trabalhadores estivessem contratados e participando do dia a dia da instituição”, escrevem.

O manifesto trata do incêndio como um “crime anunciado” que “culminou na perda irreparável de inúmeras obras e documentos da história do cinema brasileiro”. Esse foi o quinto incêndio que acometeu a Cinemateca Brasileira, que há dez anos chegou a ser apontada pela Federação Internacional de Arquivos Fílmicos, a Fiaf, como uma das três melhores do mundo.

De acordo com o manifesto, as instalações da Cinemateca na Vila Leopoldina “são parte fundamental e complementar” da sede da instituição, na Vila Clementino, onde fica armazenada a maior parte do acervo.

No início de agosto, fará um ano que a Cinemateca foi fechada pelo governo federal. No manifesto, os trabalhadores apontam que, na ocasião, a demissão de todo o corpo técnico da instituição não foi acompanhada do acerto de salários e rescisões não pagos pela gestora anterior, a Associação de Comunicação Educativa Roquette Pinto.

De acordo com o texto, desde então, foram contratadas equipes de manutenção predial, bombeiros e limpeza. Esses profissionais, no entanto, “apesar de serem fundamentais para o funcionamento do arquivo de filmes, não são suficientes para suas demandas específicas, como evidenciado neste dia fatídico”.

Os trabalhadores apontam que a ausência de equipes técnicas especializadas ao longo de um ano possivelmente já teve consequências irreversíveis para o estado de conservação do maior acervo do cinema brasileiro, para além de enchentes e incêndios. “Certos danos são silenciosos, porém tão trágicos quanto um incêndio, e igualmente irrecuperáveis. Trata-se do tempo de vida dos diversos materiais, diminuindo drasticamente, e da perigosa deterioração dos filmes de nitrato e de acetato.”

Veja abaixo a lista de documentos e filmes descritos no manifesto assinado por trabalhadores da Cinemateca.

Acervo documental

Grande parte dos arquivos de órgãos extintos do audiovisual como parte do Arquivo Embrafilme – Empresa Brasileira de Filmes S.A. (1969 – 1990), parte do Arquivo do Instituto Nacional do Cinema – INC (1966 – 1975) e Concine – Conselho Nacional de Cinema (1976 – 1990), além de documentos de arquivo ainda em processo de incorporação. Para evitar que novas enchentes atingissem o acervo, parte desses materiais foi transferida do térreo. Parte do acervo de documentos oriundos do arquivo Tempo Glauber, do Rio de Janeiro, inclusive duplicatas da biblioteca de Glauber Rocha e documentos da própria instituição.
Folhapress

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.