“A Arte, as muriçocas e o olhar além”, Por Flávia Pedrosa Vasconcelos

 

O momento de consistência por onde os fatos são descritos, na coerência e autenticidade sobre quem fala o que faz e quem faz o que fala.

Como encontrar as linhas entre os mundos diametralmente opostos?

Pois o tempo é curto e há de se acabar em algum momento.

Aceitar e agir fazem parte do risco de se deslocar a este campo, ainda e aparentemente inóspito.

Aceitar a origem que traz este desenho eu rogo a tudo que é sagrado e reescrevo o dia, indo ao encontro com o objeto artístico.

O que há ali do lado de um espaço, que hoje pode ser qualquer lugar, na esperança de uma mirada estética? É um bicho? Uma releitura? Uma apropriação?

Paciência.

A obra exige um encontro, se possível de identificação.

Há momentos para serem notados.

A obra não se fecha em um museu. O museu também pode ser você, a sua casa, a sua vida.

Quantas vezes o olhar paira e pára?

Na instantaneidade de uma geração pós tudo, digital e virtual, que está num devir e num porvir.

E o reagir?

O agora é presente instaurado.

Há que se observar bem aquilo ali, que se pode ou não ser Arte, nas a pergunta caducou, não é mais essa.

Então as pessoas atravessam e passam incólumes ao que poderia se dar em uma apreciação estética.

À que ponto chegamos e em que ponto fomos engolidos.

Juazeiro tem artistas, mas Juazeiro tem ensino de Arte?

De onde vem o público senão da Educação em Arte?

Adiante eu vi a obra, observei com a surpresa de quem vê algo mais que genial.

Num quase realismo em que a preocupação com a natureza se deu pela escolha de materiais.

Ali havia um protesto que ninguém ousou gritar, mas que a cidade já reverberava desde que aquela fábrica estrangeira…

Aqui soltaram milhões de mosquitos transgênicos.

Os bonitinhos não iam se reproduzir, pelo contrário, sairia um “mestre dos magos” do rio e ali tudo se resolveria, voltaríamos para um tempo de equilíbrio ambiental…

Um tempo que passou…

Seja pela sede do desenvolvimento aliado a uma falta de olhar para o contexto…

Seja pela fúria do progresso que esmaga a possibilidade de estar/ser em comunhão consigo e com os outros no meio em que habitamos.

O olhar habita.

E eis que soube que o artista nem chamado foi de artista.
A obra nem de objeto estético foi apropriado.
Aquilo ali foi coisa de um motoqueiro humorista que tem um canal no youtube, disseram.

E mesmo pedindo desculpa.

A obra foi destruída.

Perdas e danos previstos por quem manipula os maniqueísmos, em dominações do olhar.

Juazeiro, eu clamo, nesses dez anos que aqui estabeleci morada: retira essa venda!

É necessário caminhar no sentido de construir pontes invisíveis que reverberem no cotidiano de um povo que ama a “poda system”, mas esquece das pequenas delicadezas,

Da melodia que irradia

Do que podemos trazer de ético, político e estético para uma obra como aquela.

O mosquito ecoou em mim.
Com a sede de sangue que os daqui, já uma mistura das raças todas que existiam com o tal transgênico e sei lá quantas variedades.

O mosquito que pica de manhã, de tarde, de noite, de madrugada, “na rua, na chuva, na fazenda”…

Que acordemos para o nosso contexto, que nossos olhares contemplem a mirada.

A recente extinção de abelhas e tantos outros gritos, maiores que qualquer quadro “O Grito” de Edvard Munch, estão ecoando no nosso meio ambiente.

No caminho, peço licença e infiro que é um ato de coragem fazer uma crítica.

A crítica nasce nem do amor nem do ódio, mas do entender um olhar amplo e perceber a entrelinha daquilo que pode ser dito sobre algo.

Aquele mosquito tinha uma história.
E nesses 10 anos foi a primeira obra que evidencio como docente, artista e pesquisadora das Artes Visuais como obra que funciona como crítica de Arte numa realidade de uma cidade que nada em desassossegos.
Muriçocas, moscas, falta de verde, água que já não é mais a mesma…

A vontade de ir adiante é forma de entrega na leitura de algo artístico.

Obra, por ser produto da invenção, do abstrato ao concreto, do invisível ao possível na representação.

Sim, pois nem tudo que se configura como Arte atualmente é visível.

Há muitos apagamentos e silenciamentos.

A visibilidade é controlada.

Instaurado ao largo de uma realidade, vozes seculares indicam do alto de uma bancada onde figuram musas e reis, é isso que se vale registrar.

Quem disse que pode ou não ser Arte isso ou aquilo e deixou impresso nas páginas da memória e da História, classificou de maneiras particulares e,
seja por uma estratégia de dominação/colonização, seja por questões do tempo/espaço em que o preconceito é arraigado, em grande montante a figura masculina ditou as regras.

Apesar de tudo, há movimentos de quebra, rupturas no muro que separa o que é e o que não é Arte.

A muriçoca grita.

Por conta dessas rupturas, estou aqui, e tu estás a me ler, diante de tantos aspectos possíveis do agora.

No contexto que estamos atados, a preocupação estética e epistemológica andam juntas.

A lacuna ressurge vibrando em ira preemente, pode-se vislumbrar miríades multiplicadas.

O mercado da Arte, em marionetes do neoliberalismo pode dar um caminho, sigamos outro, através dos desvios necessários para a construção de sentidos.

Indo além desses territórios demarcados em fronteiras com muros de Bastilla, estaremos todos salvos de um buraco sem fundo que a humanidade neste momento teima em se aproximar.

Do abismo consigo enxergar bem, alguns pulam, outros se manifestam.

O grito do mosquito do artista-mototáxi foi mais que um manifesto,
é a epifania que sai de alguém do povo, o que mais precisamos, um olhar além, que vislumbra nosso passado,
interpreta nosso presente e se preocupa com o futuro, caso permaneçamos imóveis e estáticos como um quadro na parede do museu, solitário sem seu público.
Arte Contemporânea mais que viva!

Que Juazeiro não caia nesse abismo e que nós possamos reolhar para as coisas e abrir o horizonte de um mundo melhor por meio da Arte!

 

Por Flávia Pedrosa Vasconcelos, professora/artista/pesquisadora do Colegiado de Artes Visuais da UNIVASF

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.