A cultura do estupro nas redes sociais por Ananda Fonseca

A cultura do estupro nas redes sociais por Ananda Fonseca

Imagem contra a cultura do estupro no Brasil. Reprodução/Facebook

Após a notícia de uma menina que foi estuprada no Rio de Janeiro por 30 homens, internautas feministas e defensores da causa aproveitam para falar sobre o caso, discutir sobre a cultura do estupro e manifestar sua revolta.

Sobre os argumentos que algumas pessoas usam para justificar o crime sofrido pela adolescente que sofreu um massacre sexual no Rio de Janeiro, a internauta, Marina Ferreira, na sua rede social, explica que eles são inválidos.
 (Post Original)

Foto: página Empodere Duas Mulheres

Segundo dados oficiais das secretarias estaduais da Segurança coletados pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, a cada 11 minutos uma mulher é estuprada. O que você faz em 11 minutos?
(Post Original)

andrezaaa

Sobre o fato de alguns homens lamentarem o ocorrido mas, no dia a dia, ajudarem a perpetuar valores que incentivam a cultura do estupro, Majonéz aconselha:
(Post Original)

cultura do estupro
Há quem duvide que nos tempos atuais, mesmos munidos de informação (que supostamente é uma arma contra os preconceitos e julgamentos), alguns homens ainda tentam justificar um estupro…

Empodere duas Mulheres

Por outro lado, existem homens que compreendem essa cultura que envolve todos nós, se reconhece dentro dessa cultura e, explicando tudo isso, ajuda a fazer entender outros homens…
(Post Original)

cats

ELUCIDANDO O FEMINISMO – Algumas pessoas usam argumentos para enfraquecer e desvalorizar o feminismo, que é a crença (radical, segundo alguns) de que homens e mulheres são livres e devem ser iguais socialmente, politicamente, economicamente. Diferente do femismo, que prega a superioridade da mulher em relação ao homem, o feminismo acredita na liberdade de escolha e de ser o que se é.
Nas redes sociais, esses conceitos são confundidos e distorcidos.
O feminismo prega escolha: se você vai abortar, se depilar, amar quem você quer amar, casar, ter filhos e construir uma família com quem quer que seja ou não, a decisão é sua e de mais ninguém.
A roupa que você usa não define o seu caráter e nem define se outra pessoa pode invadir o seu corpo ou não. O corpo é seu, as escolhas são suas.

Mesmo que uma mulher estivesse andando nua na rua, nada, absolutamente nada serviria para justificar um estupro. E já que algumas pessoas não estão acostumadas a ouvir sobre a cultura do estupro, escolhi a dedo alguns textos que ajudam a entender como essa cultura se perpetua e se mantém a tanto tempo com a ajuda da sociedade.

TEXTOS:

Por Ananda Fonseca

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.