Suspeito de participação em estupro coletivo é preso

Suspeito de participação em estupro coletivo é preso

rai-desou-estupro-coletivo

Um dos suspeitos de participação do estupro coletivo de uma adolescente de 16 anos no Morro do Barão, na Praça Seca, na Zona Oeste do Rio, foi preso no início da tarde desta segunda-feira. Raí de Souza, de 22 anos, se entregou na Delegacia da Criança e Adolescente Vítima (Dcav), no Centro. Em depoimento, Raí admitiu ter sido o responsável pela divulgação das imagens na rede social. Ele teve a prisão temporária decretada.

Antes de se entregar, Raí falou por telefone com o GLOBO e afirmou que não houve estupro. Ele contou que encontrou com a vítima no baile funk e que já a conhecia, por ser frequentadora da comunidade:

 — Por volta das 7h , eu, o Lucas, a Joyce e ela fomos para o abatedouro. Ela estava tão inconsciente que pediu que pegasse camisinha. Eu saí para buscar, voltei, tivemos relações e ela ficou lá, não quis ir embora.

Raí contou que resolveu voltar para o local porque ficou preocupado com a jovem.

— Quando voltei só estava lá o Jefinho ( Jefferson ). Ele ficou filmando. Eu não falei nada, apenas ri. Tanto é que não tem minha voz no video. Depois, falei de novo com ela, mas ela disse que ia ficar lá e eu fui embora.

Segundo Raí, dois dias depois do caso, voltou a se encontrar com a adolesdente na favela:

— Eu perguntei se ela tinha visto o video, ela disse que sim, mas que estava tranquilo, que ela só estava chorando pelo celular que a mãe dela ainda estava pagando. O que me deixou mais revoltado é que ela depois que voltou, ainda ficou de safadeza lá. E depois veio com essa historia.

Raí disse que foram ativistas que transformaram a história num caso de estupro coletivo, crime que, aegundo ele, não ocorreu.

— Nem cabem 33 naquela casa — conta.

O jovem disse ainda que pediu autorização a Jefferson para declinar sua participação no crime:

— Ele não vai se apresentar porque já é procurado. Se ele não tivesse me autorizado, não iria falar nada. Moro na comunidade e ele é traficante. Aliás, envolveram o dono do morro nisto. E ele não tem nada com isso — concluiu o rapaz.

OPERAÇÃO ATRÁS DE ENVOLVIDOS

Mais cedo, o advogado de Raí já havia afirmado que ele se apresentaria à polícia. Além dele, Lucas Perdomo Duarte Santos, de 20, também é aguardado na Dcav. Os dois estão entre os seis acusados de envolvimento no crime que tiveram as prisões decretadas.

No início da manhã, a Polícia Civil fez uma operação em várias comunidades à procura dos envolvidos no caso e que já são considerados foragidos. São eles: Sérgio Luiz da Silva Júnior, conhecido como Da Russa, Marcelo Miranda da Cruz Correa; Raphael Assis Duarte Belo; Michel Brasil da Silva e Lucas Perdomo Duarte Santos. Raí também era considerado foragido.

Da Russa é apontado como chefe do tráfico do Morro do Barão, na Praça Seca. Os agentes estiveram na Cidade de Deus e na comunidade do Rola, além dos bairros do Recreio dos Bandeirantes, Taquara e Praça Seca, todos na Zona Oeste.

FONTE: O Globo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.