Deputado Zó apresenta Projeto de Lei que pune a prática de atos de discriminação em razão de orientação sexual e identidade de gênero

Deputado Zó apresenta Projeto de Lei que pune a prática de atos de discriminação em razão de orientação sexual e identidade de gênero

Com o objetivo de punir ações de homotransfobia e discriminatórias, o deputado estadual Zó (PCdoB) apresentou na Assembleia Legislativa da Bahia – Alba – o Projeto de Lei 22.845/2018 que dispõe sobre penalidades administrativas a serem aplicadas pela prática de atos de discriminação em razão de orientação sexual e identidade de gênero.

O deputado ressalta que é um projeto consistente e de grande valor para manter a ordem e o respeito ao cidadão e cidadã. “Nossa intenção é proteger as pessoas discriminadas e punir nos termos desta lei, todo ato discriminatório por motivo de orientação sexual e identidade de gênero praticado na Bahia”.

Zó salienta que solicitará às comissões pertinentes maior agilidade na tramitação deste projeto.

“Essa é uma iniciativa para que o Poder Executivo, dentro de sua competência possa penalizar todo estabelecimento comercial, industrial, entidades, representações, associações, fundações, sociedades civis ou de prestação de serviços que, por atos de seus proprietários ou prepostos, discriminem pessoas em decorrência de sua sexualidade ou identidade de gênero. Precisamos deter os atos de coação, violência física ou verbal ou omissão de socorro!”, alertou Zó.

O parlamentar considera que o projeto está pertinente as necessidades da Bahia. Segundo levantamento do Grupo Gay da Bahia (GGB), 153 pessoas LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transexuais) morreram no país. Conforme pesquisa realizada no 1º quadrimestre (até dia 15 de maio) deste ano essas pessoas foram vítimas da homotransfobia: 111 assassinatos e 42 suicídios. Distribuídas da seguinte maneira: 62 eram gays, 58 trans, 27 lésbicas, 4 bissexuais e 2 heterossexuais.

“Precisamos buscar meios que protejam pessoas que são duramente e covardemente agredidas, buscar meios para que esse atos insanos não ocorra em nossa sociedade, investir em políticas públicas, leis de proteção ao agredido e consequentemente punição ao agressor”, justificou Zó.

O deputado pesquisou sobre o assunto e destacou que  a organização não governamental Human Rights divulgou um relatório a respeito da violação dos direitos humanos no Brasil. Nele consta que a Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos recebeu, somente no primeiro semestre de 2017, 725 denúncias de violência, discriminação e outros abusos contra a população LGBT.

Confira números 2017: 445 lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais (LGBTs) foram mortos em crimes motivados por homofobia.

1 vítima a cada 19 horas. Aumento de 30% em relação a 2016 (343 casos).

O saldo de crimes violentos contra essa população em 2017 é 3 vezes maior do que o observado há 10 anos (142 casos).

** Maior número de casos de morte relacionados à homofobia desde que o monitoramento anual começou a ser elaborado (38 anos), pelo Grupo Gay da Bahia (GGB).

Ascom/Deputado Zó

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.