Procon Juazeiro se manifesta sobre transtornos para pagar faturas da Coelba

 

Desde o dia 1º de junho, as casas lotéricas do estado da Bahia deixaram de receber o pagamento das faturas de energia da Companhia de Eletricidade do Estado (Coelba).

Segundo a companhia, o motivo seria a não renovação do contrato da concessionária com a Caixa Econômica Federal, que deu um reajuste de 50,5% no valor da tarifa por fatura arrecadada, inviabilizando a manutenção do convênio.

Segundo a companhia, em todo o estado da Bahia, existem 730 pontos para pagamento da rede própria da concessionária. Em Juazeiro, com mais de 230 mil habitantes, segundo o site da Coelba, existem apenas 11 pontos.

No centro da cidade são três, que funcionam em estabelecimentos comerciais. Desde a suspensão do pagamento nas lotéricas, os usuários estão enfrentando filas enormes para pagar suas contas.

O empresário Ariomar Carvalho reclamou do atendimento em um dos postos do centro que funciona numa farmácia, na avenida Adolfo Viana.

“Passei mais de uma hora e meia para pagar minha fatura. O posto fica numa farmácia. O espaço é pequeno e só entram de cinco em cinco pessoas. A espera é na calcada, no sol quente, numa fila enorme. Um desrespeito com o consumidor. Ao invés da empresa investir na qualidade do serviço, facilitando o acesso aos serviços, prefere sacrificar a vida dos usuários e dificultar nossa vida”, desabafou, indignado, o empresário.

No final da semana passada, a reportagem do PNB visitou os três pontos do centro e constatou os transtornos causados aos usuários e ouviu relatos de indignação e protesto à decisão da Coelba de cortar o contrato com a CEF, penalizando o consumidor.

Os outros pontos existentes em Juazeiro são: 1 no bairro Alto do Alencar, 2 no Itaberaba, 1 no João Paulo Segundo, 1 em Piranga, 1 no bairro Santo Antônio e 1 no Tabuleiro.

Veja vídeo: 

Absurdo! Consumidores em Juazeiro penam para pagar fatura da COELBA. Veja reportagem de Sibelle Fonseca e Ailton Nery

Nós encaminhamos as reclamações dos usuários para o Diretor do Procon – Juazeiro, Ricardo Penalva. Ele esclareceu que o órgão não pode obrigar a Coelba a firmar contrato com a CEF.

“Chegamos a uma situação complicada. Não temos como obrigar uma empresa a firmar um convênio ou contrato com outra. É uma mera conveniência da Coelba, fazer ou não o contrato com a CEF. Lembrando que a Coelba informou aos consumidores com antecedência, respeitando o período que as empresas têm para informar qualquer mudança. A grande questão é que existem outras formas de pagamento, a exemplo das agências bancárias, nos caixas físicos ou eletrônicos e ainda existe também a opção de pagamento pela internet. A gente sabe que a grande maioria da população não tem acesso e vem sofrendo com este transtorno”, disse Penalva.

O diretor garantiu que vai intermediar junto a empresa, uma solução que amenize os transtornos para os consumidores.

“O que posso fazer como Procon, já que não podemos obrigar o contrato com a CEF, é intermediar junto a empresa uma forma de resolver essa situação, pois nosso povo é que sofre, tendo que enfrentar longas filas nos postos da Coelba ou mesmo nas agências que já estão com o atendimento precário.  Me comprometo a intermediar uma solução junto a Coelba”, garantiu Ricardo Penalva.

Da Redação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.