Associação baiana vai oferecer óleo medicinal à base de maconha em Salvador

 

A Associação para Pesquisa e Desenvolvimento da Cannabis Medicinal no Brasil (Cannab) firmou acordo com a canadense Khiron, potencial produtora do óleo medicinal de CBD (canabidiol) ou THC (Tetraidrocanabidiol). A parceria representa esperança para famílias de pacientes que necessitam de tratamento com óleo medicinal, mas que não têm condições de arcar com a importação do medicamento, vendido nos Estados Unidos por 450 dólares.

A parceria foi anunciada recentemente durante a inauguração da sede da Cannab, que passa a funcionar a partir do dia 13 de março, na Rua das Dálias, no bairro da Pituba, em Salvador. Presidente e fundador da associação, criada em Salvador no ano de 2017, Leandro Stelitano afirmou que a primeira pesquisa vai estudar o uso do óleo nos epilépticos.

Anvisa e a União já se manifestaram contra o pedido feito pela associação, em fevereiro de 2018, mas ainda não há uma negativa oficializada pela Justiça. “Nós estamos aguardando, mas temos uma boa expectativa. Atualmente, são inúmeros os ensaios que mostram o avanço dos pacientes, além de uma extensa fundamentação científica que embasa o tratamento à base da cannabis”, disse ao Correio.

A sede da Cannab vai funcionar de segunda a sexta-feira, de 8h às 18h, prestando atendimento aos associados, incluindo pacientes e familiares. Pessoas que sofrem de Parkinson, autismo, esclerose múltipla e microcefalia terão auxílio de neurologistas, psicólogos e assistentes sociais. Atualmente, a Cannab tem cerca de 150 associados no país, de recém-nascidos a idosos de 70 anos, sendo 90% deles moradores da Bahia.

Um dos diretores da Khiron, o pesquisador uruguaio Marco Algorta comemorou a inauguração da sede. Segundo Algorta, embora tenham a liberdade para prescrever, há uma necessidade de aprovação posterior por parte da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para a importação do medicamento.

BN

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.