Resolvido impasse com a categoria, Guarda Municipal de Juazeiro tem novo comandante

Após polêmica e forte mobilização da Associação dos Guardas Municipais de Juazeiro, a Guarda Civil Municipal (GCM) tem um novo comandante.

De acordo com a assessoria do órgão, quem passa a ocupar o cargo de Inspetor Chefe da corporação é o servidor Gilson da Silva Santos, guarda municipal há 18 anos. A definição do novo comandante aconteceu após sabatina na Câmara Municipal de Vereadores, em sessão extraordinária realizada na manhã desta quarta-feira (13), como parte da exigência estabelecida para ocupação do cargo.

Gilson respondeu perguntas acerca de projetos de segurança para áreas periféricas da cidade e para proteção às mulheres, e também propostas para melhorias nas condições de trabalho da categoria. Ele foi aprovado por unanimidade.

O servidor possui capacitações nas áreas de operações emergenciais de Defesa Civil, Direitos Humanos, Recursos Humanos e saúde mental e uso de drogas.

Propostas

O novo comandante destacou que o foco da sua gestão será zelar pelo patrimônio público e promover ações que garantam a segurança da população. “Pretendo auxiliar a Ronda Maria da Penha no combate à violência contra a mulher, formando grupos especializados. A Ronda Escolar também é um projeto nosso e será uma de nossas prioridades, além do mais, também criaremos novos projetos para garantir a segurança da população, afirmou Gilson.

O subcomando da Guarda Municipal de Juazeiro ficará a cargo de Fabiana Lima Freitas,  também servidora há 18 anos na corporação.

Após duas tentativas fracassadas de indicar um nome para o comando da Guarda Municipal de Juazeiro, a Prefeita Suzana Ramos atendeu a Legislação e, dentro do que reza o Plano de Cargo Carreira e Rendimentos, deve nomear o GCM Gilson da Silva Santos e para o sub comando a Guarda Fabiana Lima Freitas, ambos admitidos em 2002.

Impasse

A Associação da categoria reagiu e não aceitou os nomes dos Guardas Denilson e Valdenor, apresentados pela gestora, por não atenderem aos requisitos do PCCR, e estarem em desacordo com o Estatuto da categoria. O GCM Denilson ainda está em estágio probatório e admitido em 2019, não poderia assumir o cargo. O segundo nome, Valdenor Almeida de Oliveira, cunhado do vereador Bené, aliado de Suzana Ramos, de terceira classe, também estava incompatível com o artigo 16 da legislação. As duas indicações desrespeitavam o princípio da hierarquização que norteia a promoção para o cargo de comando.

” O Plano de Cargo Carreira e Rendimentos é claro e diz que o inspetor Chefe da Guarda Municipal será escolhido entre os de primeira classe, admitidos em 2002. É uma questão de hierarquia. Existe na GCM outros profissionais aptos para o cargo, que correspondem o que diz a legislação”, informou Edson Gomes, presidente da entidade.

Em entrevista ao PNB, um Guarda Municipal, que não quis ser identificado, chegou a orientar a gestora sobre a indicação.

“Se ela não quer colocar ninguém que tenha apoiado Paulo Bomfim, a gente entende, mas respeite a lei e procure entre os Guardas admitidos em 2002 alguém que tenha caminhado com ela, porque tem. Tem gente capaz e apto para o cargo”, aconselhou.

Finalmente, a gestora chegou a um nome que está em conformidade com a lei. Uma luta da categoria, que agora comemora a vitória.

Da Redação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.