“Situação muito grave”: presidente do Sindicato dos Médicos da Bahia inspeciona Hospital da Mulher de Juazeiro; a representante visitou ainda a UPA e outras unidades de saúde do município

"Situação muito grave": presidente do Sindicato dos Médicos da Bahia inspeciona Hospital da Mulher de Juazeiro; a representante visitou ainda a UPA e outras unidades de saúde do município

 

Após diversas denúncias de precariedades no atendimento e supostas irregularidades na saúde pública de Juazeiro, no Norte da Bahia, a presidente do Sindicato dos Médicos do Estado da Bahia, Ana Rita de Luna, realizou na manhã desta sexta-feira (10), uma visita de inspeção no Hospital Materno Infantil e na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do município.

Em entrevista ao Portal Preto no Branco, que acompanhou a visita, a médica destacou diversas deficiências encontradas no HMI e declarou que a situação da maternidade é “muito preocupante e de extrema precariedade das instalações”.

“É preocupante vê que há uma aglomeração de gestantes, sem condições mínimas de conforto já no acolhimento. Fiações desencapadas, colocando em risco os usuários. Vimos o teto desabado dentro da farmácia, o que também pode provocar a contaminação dos insumos. Um quantitativo praticamente zerado de soro fisiológico, condições sanitárias precárias na cozinha, onde existe uma ampla passagem possivelmente de animais peçonhentos, entre outras deficiências como, acomodações muito insalubres das gestantes e da sala vermelha sem condições mínimas de ser chamada de sala vermelha. Há uma insuficiência na escala de obstetras, com furos em vários dias e esta é uma situação que preocupa. Estive conversando também com o pessoal da anestesiologia, em que se fez referência a falta de medicações e até de agulhas especiais para anestesia, necessárias, por exemplo para realização das cesarianas, e isso é recorrente, segundo os relato. Eu acredito que é uma situação muito grave que merece uma atenção especial, não somente dos gestores municipais, como também do Ministério Público “, afirmou Ana Rita de Luna.

Sobre a UPA, a presidente do SINDIMED-BA lembrou que a unidade passou por uma recente reforma, realizada na gestão passada, e que por isso, “as instalações no geral estão adequadas, entretanto o que se vê é que há uma permanência de mais de 24 horas de vários pacientes graves com infarto do miocárdio, diabetes, entre outras doenças, o que sinaliza a necessidade de uma otimização dos hospitais da região para que dê o fluxo necessário de esvaziamento da UPA, e se receba outros pacientes igualmente graves, dando o primeiro atendimento e daí orientar para um atendimento especializad0”, acrescentou a médica.

Ana Rita de Luna informou ainda que a inspeção irá alcançar também o Hospital Regional de Juazeiro e a sede do SAMU, que também foi alvo de graves denúncias.

“Propus uma audiência pública para tratar dos graves problemas de saúde do município de Juazeiro”, finalizou a médica.

Os vereadores da oposição, Salvador Carvalho e Alex Tanuri acompanharam a visita de inspeção as unidades hospitalares.

Também em entrevista ao PNB, Salvador Carvalho declarou que além da falta de insumos, também percebeu que existem deficiências legais no Hospital Materno Infantil de Juazeiro.

“Não nos foi apresentado o Alvará de Funcionamento, pois segundo eles fica na Secretaria de Saúde, mas a gente sabe que tem que ficar na instituição. Também não nos foi apresentado o registro que toda instituição pública de saúde precisa ter junto ao Conselho Federal de Medicina e ao que parece lá não tem, e isso é grave. A escala de médicos obstetras que nos foi apresentada está cheia de “buracos”, por exemplo, hoje era para ter três obstetras e tem apenas dois e sem assinatura do coordenador, que inclusive  não estava presente no hospital no momento da nossa visita. Há informações de que o próprio Secretário de Saúde não está na cidade e teoricamente, como ele é secretário e precisa cumprir 40 horas, deveria estar. Foi solicitada a presença dele pela própria Presidente do SINDIMED, mas a direção da unidade não conseguiu contato com ele. A gente também constatou que falta farmacêutico. Lá tem apenas um atendente de farmácia e a obrigação de toda instituição de saúde é ter um farmacêutico por 24h. Segundo informações que obtivemos, esse profissional está tirando as férias do farmacêutico. Também está faltando lençóis. As próprias mães nos abordaram perguntado se ia chegar lençol, porque a situação estava difícil. Na parte de cima, onde fica o pós-parto, encontramos aglomeração muito grande de gestantes em quartinhos pequenos com três, quatro mães e seus filhos. Observamos fios descascados próximos as camas, banheiros danificados e sem papel higiênico, sujos e descargas quebradas. Também tem escassez de insumos como soro fisiológico, por exemplo. Só tinha meia caixa para passar hoje e o final de semana, segundo os próprios profissionais nos alertaram”, relatou Salvador Carvalho.

O vereador Alex Tanuri também criticou a situação da saúde pública de Juazeiro.

“É o mais completo descaso. Suzana conseguiu piorar aquilo que já era alvo de críticas na gestão passada. Na visita, a presidente do Sindicato dos Médicos da Bahia colheu diversas informações junto aos profissionais das unidades. As medidas serão avaliadas no sentido de obrigar a gestão municipal a cumprir com as suas responsabilidades e garantir as condições adequadas de funcionamento para a UPA e Maternidade”, declarou o vereador.

Da Redação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.