Moradores cobram atuação do Centro de Zoonoses de Juazeiro, que está sem veterinário, e alertam sobre aumento de animais de rua com doenças

Moradores cobram atuação do Centro de Zoonoses de Juazeiro, que está sem veterinário, e alertam sobre aumento de animais de rua com doenças

Moradores de Juazeiro, no Norte da Bahia, entraram em contato com o Portal Preto no Branco para reclamar do atendimento do Centro de Zoonoses do município, que inclusive está sem médico veterinário, informação confirmada pela própria Secretaria de Saúde.

De acordo com as reclamações, o trabalho de controle de zoonoses está deixando a desejar, e por conta disso, o número de animais doentes nas ruas tem crescido nos últimos meses.

“A prefeitura está fazendo de conta que atua no controle das zoonoses e atendimento aos animais, mas na realidade não tem trabalho algum. Em toda a Juazeiro vimos muitos animais pelas ruas e muitos deles com doenças graves que podem colocar em risco também a saúde da população. Ficamos sabendo que o centro de zoonoses está sem veterinário desde o mês de outubro do ano passado. Se não tem o profissional no centro, como este trabalho vem sendo feito? Na verdade, as gestões municipais, nem esta e nem as passadas, nunca deram atenção a causa animal, o que é um atraso e até uma estupidez”, relatou uma moradora, que preferiu não ser identificada.

Os moradores chamam atenção também para o controle correto dos casos de leishmaniose.

“É preciso uma ação para o combate do mosquito que causa a doença. Até porque, os animais são as primeiras vítimas e barreiras de proteção muitas vezes. Não se trata apenas de matar os animais. É preciso atacar o mosquito causador do problema. Conheço uma pessoa que cria seus animais presos mas nem isso impediu de um deles de ser picado pelo mosquito palha que o transmissor de Calazar. Além disso, apesar de existirem vacinas para a leishmaniose, elas não são distribuídas para as famílias carentes não podem vacinar seus animais”, acrescentou outro morador.

O PNB encaminhou as reclamações para a Secretaria de Saúde. Em resposta, o órgão informou que “o programa de Controle de Leishmaniose está funcionando. O veterinário do programa está de licença médica e o município abriu vaga para médico veterinário no processo seletivo”.

 

Da Redação

1 comentário


  1. Região tem uma faculdade e um hospital veterinário, e não tem um centro de acolhimento e cuidados com os bichinhos de rua.
    NÃO falo em matadouro dessas criaturinha, falo em acolher, castrar, cuidar e colocar em adoção.
    Falo em punir pessoas que acham que criar um dog ou gato é passatempo, quando abusam ou eles envelhem e adoecem jogam fora th um monte de felinos e um dog em casa, e ainda cuido de alguns que esses donos irresponsáveis jogam nas ruas.

    Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.