Mensário: após 4 meses de espera, trabalhadores da cultura de Juazeiro farão protesto contra a demora no pagamento do Auxílio Emergencial

Mensário: após 4 meses de espera, trabalhadores da cultura de Juazeiro farão protesto contra a demora no pagamento do Auxílio Emergencial

 

Após 4 meses de espera, 350 trabalhadores da cultura de Juazeiro, que se cadastraram para receber o Auxílio Emergencial, instituído pela Lei n° 3.012/2021, sancionada pela Prefeita Suzana Ramos (PSDB), se mobilizam para uma manifestação em protesto a demora do pagamento do benefício.

Serão três parcelas de R$ 300, pagos com recursos próprios do município.

O benefício foi conquistado pela categoria após diversas manifestações cobrando ações para amenizar os impactos da pandemia do Covid no setor cultural, um dos mais afetados, mas até o momento a categoria luta para receber o benefício.

A mobilização acontecerá no próximo dia 20, às 9 horas, em frente ao Paço Municipal. Intitulado de “mensário”, o evento convida: “Venha cantar parabéns com a gente”.

“Sabe como é viver da arte numa cidade como Juazeiro? É matando um leão por dia! O auxílio que deveria ser emergencial tornou-se mais uma lenda do Velho Chico graças a burocracia que a @prefeituradejuazeiro impõe. Queremos uma resposta para já porque quem labuta e sofre somos nós que diante da pandemia ficamos a mercê de trabalhos raros ou nem isto”, protestou o artista Luiz Carlos.

” Mas uma vez a Prefeitura Municipal de Juazeiro, através da Secretaria de Cultura demonstra total desprezo com os trabalhadores da cultura de Juazeiro, não paga o auxilio e nem diz quando pagará, deixando a a classe a deriva, por ironia do destino, a classe que mais apoiou candidata Suzana nas eleições de 2020″, afirmou o escritor João Gilberto.

Mobilizações 

Em julho, o Coletivo dos Trabalhadores e Trabalhadoras da Cultura de Juazeiro fez críticas a atual gestão da Secult, afirmando que “todas as ações que realizaram, nenhuma conseguiu amenizar os impactos da pandemia do Covid no setor cultural”.

O Coletivo também criticou e apontou falhas no processo criado pela gestão para o Auxílio Emergencial Afonso Conselheiro.

À época, a Secretaria de Cultura informou que os pagamentos seriam feitos em até 45 dias após a publicação do resultado dos recursos, o que aconteceu no dia 06 de agosto.

A justificativa gerou questionamentos da classe: “Será que a prefeitura não tinha instrumentos legais, neste período de pandemia, para acelerar estes trâmites  burocráticos? Este auxílio emergencial já perdeu foi o sentido. Dia 20 de agosto completam 3 meses que fizemos um movimento em frente ao Paço, e até agora nada de auxílio, só desculpas e mais desculpas, prazos e muita justificativa injustificável. Depois de muito maltratar a gente, quando o benefício sair, vão fazer a maior propaganda, como já é marca deste governo moroso e ineficiente”, disse um membro do coletivo.

O artista Márcio Ângelo, integrante do coletivo, também questionou o prazo estabelecido para pagamento do benefício, que já teria perdido sua característica de emergencial. O trabalhador do coletivo afirmou que houve “atrapalhadas” no processo.

“É muito triste o tratamento que a Secretaria de Cultura está dando a uma conquista da classe dos trabalhadores e trabalhadoras da cultura de nossa cidade, o auxilio emergencial Afonso Conselheiro. Infelizmente esta conquista se tornou um calvário para os contemplados com este auxilio, que era para ser urgente. Hoje, já diante desta demora, questionamos esta urgência, primeiramente com as atrapalhadas do processo, que nós, enquanto movimento, corrigimos e agora, com a falta do respeito e a morosidade de realizar este pagamento, alguns artistas já voltaram ao batente, outros no aguardo, e parece que o governo não tem nenhuma preocupação em realizar o pagamento. Na retificação, publicada pela SECULTE, coloca quarenta dias para pagar. Desta forma, vamos chegar em 2021 e nada de pagamento. Fica aqui nossa indignação, com este tratamento que a classe artística está recebendo do governo municipal”, disse Márcio.

Da Redação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.