Candidatos do concurso público para professores, realizado em Juazeiro, apontam irregularidades na aplicação da prova objetiva

Candidatos do concurso público para professores, realizado em Juazeiro, apontam irregularidades na aplicação da prova objetiva

Em contato com o Portal Preto no Branco, candidatos do concurso público para professor, promovido pela Prefeitura de Juazeiro, no Norte da Bahia, denunciaram irregularidades na aplicação das provas objetivas, que aconteceu nesse domingo (05).

De acordo com eles, houve erros na elaboração das questões, feita pelo Instituto de Desenvolvimento Institucional Brasileiro (Idib).

“O concurso em si já foi uma vergonha pela própria elaboração de um edital, em que frizava que não podíamos levar a prova para casa, o que é um direito nosso. Nos deram apenas um pedaço de folha para que o gabarito fosse anotado. Além disso, tinham vários conteúdos que não estavam no edital, e mesmo assim caíram na prova. Também tiveram várias questões que as respostas não batiam com as respostas descritas na prova”, reclamaram.

Os candidatos chamaram a atenção ainda para a correção de uma questão feita horas depois da aplicação da prova, por um professor. O vídeo foi postado no YouTube.

“Isso foi o pior de tudo. Já que não podia sair com a prova, e a prova só estaria disponível no outro dia, o que explica um professor fazer a correção da prova no mesmo dia, poucas horas após o término da prova? Sendo que esse professor corrigiu a prova de raciocínio lógico, e as questões estruturadas e descritas igual ao que estava na prova. Esse motivo está revoltando todos nós que fizemos o concurso. Queremos chamar a atenção dos órgãos superiores para que as providências sejam tomadas”, finalizaram.

Em contato com o PNB, o professor que gravou o vídeo corrigindo a questão citada pelos candidatos, esclareceu que participou do concurso, e decorou a questão de raciocínio lógico para corrigi-la no seu canal do YouTube, após a realização da prova. Ele repudiou a especulação feita pelos candidatos, e declarou que seguiu “todos os protocolos exigidos pela banca IDIB”. Profissional da área de matemática, com anos de atuação em instituições de ensino da região, o professor ressaltou que jamais utilizaria de “meios ilícitos para ter acesso as questões da prova”.

“Eu fiz a prova, seguindo todos os protocolos exigidos pela organização e banca IDIB, como ocorre em todos os concursos que eu faço. Acontece que, as questões podem ser memorizadas e assim eu fiz. Agora querer insinuar que eu usei meios ilícitos para ter acesso as questões da prova, paciência. Meu jurídico já está tomando todas as providências e todos aqueles que publicarem ou insinuarem qualquer coisa neste sentido irão responder judicialmente”, esclareceu o professor.

Concurso Público

Ao todo, 8 mil candidatos concorrem a 500 vagas para educadores em diversas áreas, para atuação na sede e interior do município.

Os profissionais aprovados atuarão na Educação Infantil, Anos Iniciais e Finais, em regimes de 40h e 20h semanais. Os pagamentos variam entre R$ 1.519,93 e R$ 3.039,86.

Da Redação PNB foto divulgação PMJ

*Atualizada às 12h30 para a divulgação da resposta do professor citado pelo grupo de candidatos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.