A Grande Mídia e os Sanguessugas por Jota Menezes

A Grande Mídia e os Sanguessugas por Jota Menezes

 

jota

Fico pensando no povo brasileiro, recebendo todos os dias uma avalanche de informações distorcidas, mentirosas e manipuladoras. Um efeito devastador numa população cuja maioria não tem senso crítico, que não sabe “filtrar” o que é verdadeiro e falso. O menu dos telejornais, dos impressos com suas mensagens capciosas, interesseiras e subliminares, os discursos de duplo sentido dos políticos “raposas” (com todo respeito às raposas), recheados de “armadilhas verbais”. Há uma linha editorial “adaptada e direcionada” para os representantes desses meios…Nem é preciso ser “tão perspicaz” para perceber está intenção “descarada”… Interessante o discurso do ipeachment e sua legalidade constitucional (óbvio…O impedimento por si mesmo é legal, enquanto instrumento jurídico), mas é “imoral” na forma como é utilizado… O contrapoder interessado, apropria-se de deste instrumento para tornar-lhe favorável e conveniente, escamoteia-se o sentido das ações e decisões dos poderes constituídos. Definitivamente, há uma diferença abissal entre “lei e justiça”. Eis a contradição titânica da sociedade. Penso que o “fiel da balança” desta quebra de braço tem sido esse poder midiático…É uma manobra velha que ainda funciona muito bem. A mensagem é dada em doses homeopáticas…e sequenciais, estrategicamente maquinadas para surtir o efeito desejado que é destruir o inimigo de forma implacável. Para confundir o telespectador ou leitor desavisado, “ouve-se as duas partes da história” (preceito jornalístico), contudo, deixa-se sempre “o cliente” com a última palavra…Esse ganha as batatas, o inimigo que falou primeiro…A Lei. O fato de milhares de brasileiros não saberem dessas artimanhas diabólicas da grande mídia e seus investidores é o que se configura na grande tragédia nacional. Tudo é empurrado “goela adentro” …À forceps, de forma inconsequente. Ficamos sempre condenados a viver uma próxima década “perdida” …No “país do futuro”, não no país do agora, onde tudo é adiado e esquecido, pois há uma pequena parcela de ‘notáveis” que do “alto da pirâmide social”, dita perversamente …O que deve ser… Qual é o prato do dia… A regra do jogo e nos mantém encarcerados na “Caverna de Platão”, vislumbrando imagens falsas que aos poucos vão sugando a energia e os sonhos, como “fantasmas vampiros” que se alimentam do sangue dos incautos. É preciso insurgir-se a eles e mudar a história.

Jota Menezes é jornalista, professor de História e Mestre em Educação, Cultura e Territórios Semiárido.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.