Urgente: Em resposta às denúncias de funcionários, Hospital Regional demite profissionais de saúde, em plena pandemia do coronavírus

(foto: arquivo)

De acordo com informações que chegaram a nossa redação, a direção do Hospital Regional de Juazeiro, em resposta às denúncias de funcionários sobre o atraso salarial e precaridade nas condições de trabalho, inclusive falta de Equipamentos de Proteção Individual, demitiu alguns profissionais de saúde de seu quadro na manhã de hoje (3).

“Em retaliação às denúncias feitas, a direção demitiu técnico de segurança de trabalho, pessoal da enfermagem, médico e outros estão pedindo demissão indireta. Ao invés de buscar uma solução para o problema da falta de salários e péssimas condições de trabalho, sem o menor respeito aos profissionais fizeram foi demitir”, informou um funcionário ao PNB.

O PNB teve acesso ao desabafo da médica que foi demitida hoje. Optamos por não revelar o nome da profissional.

“Meus amigos, estou perplexa, arrasada e entristecida… Onze anos de Hrj, e jamais pude prever que fosse ser descartada dessa forma… tanto anos de amor e dedicação, quem me conhece sabe. Nesses 11 anos, trabalhei incansavelmente pelas melhorias, lutei por cada paciente, por cada falta, por cada falha desse sistema nefasto. Tenho verdadeira paixão por esse Hospital, que sempre foi minha segunda casa desde a época da residência, e que sempre tive muito orgulho. Nesse momento da pandemia, eu sabia que a guerra não seria somente contra o vírus. Era também contra todos os absurdos que nos habituamos a vivenciar nesses últimos anos no HRJ. E nesse momento tão difícil frente ao novo, eu já imaginava que lutar ainda mais contra tudo isso exigiria ainda mais de mim. E eu fui para o embate, como todos os outros que ainda resistem. E eu perdi… perdi a batalha. Sou só mais uma soldada que morre no campo de batalha. Não contra o vírus. Mas contra o sistema. Seguirei minha vida mantendo minha luta diária. Sem isso, não seria eu. Contem comigo, sempre”, compartilhou a médica.

Ainda de acordo com informações apuradas pelo PNB, nos últimos cinco dias, o hospital perdeu dez médicos, entre a profissional demitida e outros que pediram demissão indireta, o que agrava a situação da instituição hospitalar no atendimento à população.

“Em meio a esta pandemia essa situação é gravíssima. A saída dos médicos, muitos pediram demissão por não suportarem mais as condições de trabalho, já compromete a escala de trabalho, pois muitos médicos estão sendo obrigados a dobrar, porque não tem substituto. Os profissionais estão sobrecarregados”, revelou a fonte ao PNB.

Há dois meses sem receber os salários, muitos funcionários já passam por sérias dificuldades.

“Já tem funcionário passando fome, com contas de luz e água cortadas e tendo que morar com parentes, porque esta empresa não se digna a resolver nosso problema mais urgente que é o nosso pagamento. Será que não se sensibilizam? Estamos no meio de uma pandemia e nem assim, somos valorizados e respeitados? Será que ninguém se sensibiliza com nossa situação?”, desabafou outro funcionário.

Nesta terça-feira (2), o PNB publicou uma carta enviada pelo Deputado Roberto Carlos (PDT)  ao secretário de Saúde do Estado da Bahia, Fábio Vilas-Boas, enumerando os problemas do Hospital Regional de Juazeiro. O parlamentar informou que o Governo do Estado faria um repasse hoje para a APMI, empresa que administra o hospital, mas nada consta, até o momento no Portal da Transparência (leia na íntegra). A Gerência Regional do Trabalho, em Juazeiro, deu um prazo de até sexta-feira (5) para o hospital pagar o mês de abril (relembre).

O PNB vem acompanhando a situação de dificuldade dos profissionais da instituição de saúde, e acionando os órgãos envolvidos e parlamentares com atuação na região, no sentido de buscar soluções para os problemas.

Da Redação

2 Comentários

  • anônimo disse:

    Os dois técnicos em segurança do trabalho pediram demissão, não foram demitidos. Infelizmente ninguém vai colocar o nome em jogo por uma empresa que não dá o mínimo aos seus funcionários: respeito. O engenheiro de segurança foi demitido por sempre bater de frente com os gestores sobre as condições de trabalho.

  • Tacio disse:

    Trabalhei nesse hospital regional de Juazeiro, triste em ver um hospital de referência nessa situação, o grande culpado é a empresa que administra o hospital, (APMI) do político Otto Alencar e seus familiares ( filha, parentes q administram, que trabalham lá dentro. O governo assina um contrato com a empresa APMI CASTRO ALVES, e a mesma, dolosamente desvia cláusulas do contrato assinado junto ao estado, faltando salários, medicações. Quando o funcionário vai procurar saber o porquê do atraso. Pedem para aguardar, sem mais informações! Ou seja, tratando os funcionários, médicos, de forma antidemocrática.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.