“Em Órbita, com Angelo Roncalli”: Suzane-se e/ou Culture-se !

Meu último texto no blog deu o que falar. Direita e Esquerda devidamente posicionadas, nos seus ataques e elogios. Eu sabia que haveria animosidade, mas igual aquela frase famosa no instagram de “Quando Pedro fala sobre Paulo, você sabe mais sobre Pedro do que de Paulo”, assim foi na vida real. É pau, é pedra !

Retornando ao universo Marvel, meu escudo do Capitão América, feito de vibranium, é minha liberdade de pensar e escrever, completamente desconectada de partido político, convicções ideológicas ou coisas pertinentes à política.

Gosto de contar histórias, pensar sobre o futuro. Gosto de Juazeiro. Quero que a cidade se desenvolva em todos os termos para que seus habitantes tenham verdadeiramente qualidade de vida.

Joan Brossa é um poeta catalão. Um dos 15 maiores poetas de todos os tempos, para mim. Ele lutou na Guerra Civil Espanhola. Vendia livros proibidos. Construiu uma vastíssima obra, vanguardista, poesia visual, experimentações impressionantes. Faleceu em 1998, se não me engano. Mas vive até hoje.

Os artistas, na sua maioria, se posicionam pelos ditos ideais socialistas, geralmente focando os direitos sociais e humanos, reivindicando a assistência ao povo mais necessitado e o cumprimento da Constituição Brasileira.

Depois da visibilidade dos esquemas das atividades do departamento de “Operações Estruturadas” da Odebrecht, Lava Jato, Caça às bruxas do PT, Golpe em Dilma, Prisão de Lula. Ficamos sem escolhas. A escolha foi um Presidente que luta contra o Comunismo.

Joan Brossa, se vivo, seria persona non grata para Bolsonaro.

“Triste Bahia, oh, quão dessemelhante”. Boca do Inferno. Para quem divide o mundo entre o bem o mal. Céu e Inferno. Deus e o Diabo.

E na Terra do Sol ? Os artistas se calam diante do panorama geral. Focam nas causas do Departamento de Cultura. Ou na égide do Estado Ideal. No final tudo isso não dá em nada. A luta continua às cegas.

Eu não ia mais falar sobre o Suzanar. Mas depois do meu texto, percebi a necessidade de colocar meu olhar, para tramitar entre a neutralidade e o passional, nas grandezas e dissabores da cidade dos Juazeiros.

Fiz o download do Plano de Governo Municipal de Suzana (2021 a 2024). Li as partes introdutórias e fui direto a página 75 que trata da Cultura.

A palavra “resgate” ou “resgatar” aparece 20 vezes no Plano de Governo. Na cultura aparece mais.

A Cultura no plano de Suzana tem uma importância gigantesca sob o olhar do resgate.

Inclusive resgata a Fundação Municipal de Cultura (que existiu de forma atuante e brilhante no Governo de Joseph Bandeira) e solicitará ao Governo do Estado da Bahia, a cedência do Centro de Cultura João Gilberto para sua implantação. Audacioso e complicado resgate.

Espero que desta vez, seja através de uma Lei Municipal, para que não seja extinta e desfeita como outrora.

Navegar é preciso. Viver é um risco. Audacioso e complicado resgate.

Suzana construiu um plano lindo para a Cultura. Exequível ? Vou comentando nos próximos textos.

Suzanar é Cultura ?

Angelo Roncalli, 44, escritor, @angelo__roncalli

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.