Lembrança da menina Beatriz: “Silêncio”, por Carlos Laerte

 

Passados seis meses da morte da menina Beatriz, o crime e a inexistência de uma investigação policial adequada revoltava as pessoas em Petrolina e Juazeiro. O poeta e jornalista Carlos Laerte escreveu o poema que publicamos à época e recordamos agora.

Silêncio

O silêncio

cala alto

o sangue inocente

que se perdeu.

De mãos amarradas

segue junto o choro,

a dor das mães

e a esperança das margens.

Mas, como em todo silêncio sobrevive

um som, esperamos,

entre as paredes divinas

soar, ainda que tarde,

os murmúrios gritantes da verdade.

E se ainda assim,

insistirem em reverberar

as dúvidas da mentira útil,

que seja vil este propósito,

pretérito infame.

Pois, ainda que pareça longe,

está perto o dia em que

estaremos em silêncio e paz

regando a boa e angelical

lembrança da menina

Beatriz.

Carlos Laerte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.