“Basta”: motoristas de aplicativo pedem segurança para trabalhar, em Juazeiro; corpo de um profissional foi encontrado em um lixão da cidade

"Basta": motoristas de aplicativo pedem segurança para trabalhar, em Juazeiro; corpo de um profissional foi encontrado em um lixão da cidade

O Corpo do motorista de aplicativo, Sidnei, foi encontrado com marcas de violência na tarde desse domingo (31), próximo a um lixão no município de Juazeiro, no Norte da Bahia. Ele havia desaparecido no sábado (30), após sair para trabalhar.

O carro do motorista foi localizado antes em Juazeiro, com as portas abertas e o som furtado. Após buscas, o corpo de Sidnei foi encontrado com marcas de disparos de arma de fogo.

O crime está sendo investigado, mas até o momento a Polícia Civil ainda não divulgou nenhuma informação sobre o caso.

Manifestação

Revoltados com o crime, outros motoristas de aplicativo realizarão às 8h desta segunda-feira (01), uma manifestação para pedir segurança para a classe.

Em vídeo divulgado nas redes sociais eles informam que vão se reunir em frente a Delegacia da PC de Juazeiro e sairão em carreta até o centro da cidade.

“Vamos pedir a prefeitura e ao CPRN pedir segurança, porque basta. A gente não aguenta mais isso não. Juazeiro está demais para a gente trabalhar”.

Veja o vídeo

https://youtu.be/q4JGp_gaqHI

Em Juazeiro o serviço de viagens por aplicativo ainda não é regulamentado.

Outros casos

No dia 13 de março deste ano, o corpo do motorista de aplicativo Diego Monteiro, foi encontrado, carbonizado, em um veículo GM Prisma, no bairro Pedra do Lorde, em Juazeiro.

 

 

No dia 29 do mesmo mês, a Polícia Civil de Juazeiro prendeu os dois acusados pela morte dele. De acordo com a PC, inicialmente a versão dada por um dos acusados foi de que “a motivação do crime teria sido em razão de uma suposta dívida de drogas que a vítima tinha com I. D. da S. S”.

No entanto, esta versão foi desconstituída durante as investigações, pois “foram constatados pontos de divergência entre as informações prestadas pelo acusado e a realidade fática”, informou o delegado Thiago Pessoa.

Durante o interrogatório, o acusado de iniciais I. D. da S. S afirmou que “o plano inicial da dupla era realizar um assalto, e que ao anunciarem o roubo do veículo a vítima teria se desesperado e tentado pegar um objeto debaixo do banco (supostamente uma faca), o que motivou os investigados a desferirem golpes de arma branca em Diego, que foi a óbito momentos depois”.

I. D, da S. S ainda afirmou que “a decisão por atear fogo no carro e na vítima foi para dificultar a investigação para que não fossem identificados, e que a gasolina foi comprada num posto 24h da cidade de Juazeiro”.

 

 

Em janeiro de 2020, o motorista de aplicativo Joel Victor de Souza, 21 anos, sofreu uma tentativa de latrocínio em Juazeiro. Na época, o motorista, que residia em Petrolina, Pernambuco, teria atendido a uma chamada no Residencial Brisa da Serra, onde dois homens e uma mulher embarcaram, e foi atacado pelos passageiros ao chegar no bairro Quidé.

Os acusados esfaquearam e jogaram a vítima em uma avenida, e levaram o veículo. Os criminosos incendiaram e abandonaram o carro em um matagal, também próximo ao bairro Pedra do Lorde.

Horas após o crime, o suspeito de ser um dos autores do crime, Laércio Lima Oliveira, 30 anos, foi encontrado pelo grupo de motoristas de aplicativo “Indignados do Vale”. Ele teve a prisão preventiva decretada e foi encaminhado para o Conjunto Penal de Juazeiro. Os outros dois passageiros estão foragidos.

Redação PNB

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.