Leitos exclusivos de UTI para pacientes de Juazeiro, hospital de campanha, 16 mil reais por cada paciente infectado: PNB esclarece dúvidas de leitores

(foto: André Luís/arquivo)

Nesse contexto da pandemia da covid-19 é preciso não somente ter cuidado com a higiene pessoal básica, para evitar a contaminação pela infecção causada pelo novo coronavírus, como também com as informações que circulam nas redes, já que grande parte delas é falsa. Apesar do grande fluxo diário de conteúdos informativos divulgados pela imprensa oficial, são constantes as dúvidas dos internautas para com alguns pontos. Em Juazeiro, no Norte da Bahia, a situação não é diferente.

É comum ver, nas redes sociais e aplicativo de mensagens instantâneas, leitores questionando, e até mesmo opinando, sobre alguns assuntos de interesse da população juazeirense: Por que Juazeiro não tem um hospital de campanha? É verdade que o município recebe 16 mil reais por cabeça de paciente com a covid-19? Por que a cidade não dispõe de leitos de UTI [Unidade de Terapia Intensiva] exclusivos para pacientes de Juazeiro?, dentre tantas outras dúvidas.

Diante disso, o PNB apurou, junto a fontes oficiais, como a Secretaria Municipal de Saúde e o Ministério da Saúde, a fim de obter respostas para alguns dos principais questionamentos da sociedade juazeirense, e que, de forma recorrente, costumam ser enviados à nossa redação.

Cadê os novos leitos de UTI em Juazeiro? 

Essa, talvez, possa ser considerada a dúvida mais comum desde, praticamente, o início da pandemia. Com o crescimento do número de casos na cidade, a indagação sobre a criação de novos leitos vem acontecendo de forma mais constante nas últimas semanas.

As Unidades de Terapia Intensiva são destinadas à internação de pacientes graves, que requerem atenção profissional especializada de forma contínua, materiais específicos e tecnologias necessárias ao diagnóstico, monitorização e terapia.

Juazeiro dispõe, atualmente, de 8 leitos de UTI em funcionamento, instalados no Hospital Regional (2 estão sem funcionar). Esses leitos integram a Central de Regulação Interestadual de Leitos (CRIL), que inclui também os municípios de Remanso, na Bahia, e Petrolina, Salgueiro e Ouricuri, no Pernambuco, e que atendem as necessidades dos 53 municípios pactuados na rede PEBA. Ou seja, não são leitos exclusivos para pacientes de Juazeiro, o que deixa a população ainda mais preocupada, visto a iminência do risco de superlotação a cada dia.

Nesta semana, o Governo da Bahia assinou o tão esperado contrato para abertura de 30 leitos dedicados ao tratamento de pacientes com diagnóstico positivo para o novo coronavírus em Juazeiro. Com isso, serão criados mais 10 leitos de UTI, instalados no Hospital Promatre, no Centro da cidade, e que deve receber novos pacientes a partir dessa semana, segundo a Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (SESAB). Também serão instalados 20 novos leitos clínicos na unidade.

A SESAB garantiu ainda que, após a reforma que está em andamento no Hospital Regional, outros 20 novos leitos de UTI, dedicados exclusivamente à covid-19, serão abertos na unidade de saúde. De acordo com a Secretária de Saúde de Juazeiro, Fabíola Ribeiro, a previsão é que a obra esteja concluída até o final do mês.

Afinal, haverá leitos de UTI exclusivos para Juazeiro?

Ainda não. A notícia da instalação de novos leitos de UTI em Juazeiro foi bem recebida pela população, entretanto, não da forma como os juazeirenses esperavam. É que os 20 novos leitos de UTI do HRJ e os outros 10 do Hospital Promatre não serão destinados exclusivamente para pacientes do município. Ou seja, também atenderão as cidades que integram a rede PEBA, conforme explicou a secretária de Saúde do Município.

“Os leitos serão priorizados para Juazeiro, mas farão parte da rede PEBA. Vale a pena ressaltar que, como estão abrindo em outras cidades polos como Paulo Afonso e Bonfim, com certeza esses leitos ficarão prioritariamente aqui para a nossa cidade”, acrescentou Fabíola Ribeiro.

Por que Juazeiro não tem um hospital de campanha?

Os hospitais de campanha são unidades temporárias que, conforme o Ministério da Saúde, devem ser implantadas em anexo a unidades de saúde hospitalares ou em espaços de equipamentos urbanos, como estádios de futebol ou centro de convenções, por exemplo. Essas unidades são criadas para atender pacientes com sintomas respiratórios de baixa e média complexidade, funcionando como retaguarda clínica para unidades hospitalares permanentes que possuam UTI e sejam definidas como referência para tratamento da covid-19.

A recomendação do Ministério da Saúde é que, antes de optar pelo hospital de campanha, os gestores de saúde locais devem priorizar a estruturação e ampliação de leitos clínicos e de UTIs em unidades hospitalares permanentes existentes na rede de assistência, e dedicar uma unidade hospitalar que já existe na rede para atendimento exclusivo de casos de covid-19, ao analisar a contratação de leitos na rede suplementar/privada. Caso o excesso de demanda sature a capacidade de oferta de leitos na rede instalada, as unidades de atendimento temporárias, como o hospital de campanha, devem ser implantadas, recomenda o órgão.

Juazeiro, ao contrário de Petrolina, cidade pernambucana vizinha, não possui um hospital temporário. Em outra oportunidade, em esclarecimento ao PNB, a Secretaria de Saúde de Juazeiro informou que a cidade não criou um hospital de campanha pois conta com estruturas mais bem preparadas do que este tipo de instalação. No início de maio, em entrevista ao site Bahia Notícias, o prefeito Paulo Bomfim (PT) chegou a dizer que, se fosse necessário, montaria um hospital de campanha com capacidade para 400 leitos, e que estava monitorando a situação.

Hoje, o município utiliza a mesma justificativa para alegar a não criação de uma unidade temporária. Conforme foi citado acima, Petrolina dispõe de um hospital de campanha exclusivo para os seus munícipes, fato que estimula muitos juazeirenses a fazerem um comparativo com a cidade vizinha e apontá-la como mais preparada e estruturada no que diz respeito ao atendimento à pacientes com o novo coronavírus.

O fato é que, até o momento, a unidade temporária de Petrolina, que funciona há pouco mais de um mês, dispõe de baixa taxa de ocupação. O hospital nunca atingiu 10% de sua capacidade total de internamentos. No boletim de ontem (1º), a Secretaria de Saúde de Petrolina informou a internação de apenas 3 pacientes, por exemplo.

A gestão municipal, em parceria com a Universidade Federal do Vale do São Francisco, abriu ainda 20 leitos de UTI na Policlínica da Univasf, exclusivos para a 8ª Gerência Regional de Saúde, composta pelos municípios de Afrânio, Cabrobó, Dormentes, Lagoa Grande, Orocó, Petrolina e Santa Maria da Boa Vista.

Afinal, qual a estrutura de Juazeiro, hoje, para o atendimento de pacientes com a covid-19?

O Hospital Regional de Juazeiro dispõe, atualmente, de 8 leitos de UTI exclusivos para pacientes diagnosticados com a covid-19, além de 29 leitos intermediários, em funcionamento. Já a Unidade de Pronto Atendimento (UPA), que é referência para casos do novo coronavírus e que não possui UTI, de acordo com a Secretaria de Saúde do Município, dispõe de 8 leitos equipados com respiradores e monitores cardíacos e mais 12 leitos intermediários que são exclusivos para pacientes de Juazeiro.

Após a entrega dos novos leitos instalados no Hospital Promatre, citados no início dessa reportagem, a unidade passará a ter 40 leitos disponíveis, entre clínicos e de UTI. Já o HRJ, após a reforma, passará a contar com 28 leitos de UTI disponíveis para atendimento.

Vale ressaltar também que a região Norte da Bahia dispõe ainda, no Hospital São Pedro, em Remanso, de 36 leitos (10 de UTI e 30 intermediários), bem como 30 leitos no município de Paulo Afonso e outros 22 na localidade de Senhor do Bonfim. Além disso, os hospitais Neurocardio e Memorial, em Petrolina, disponibilizaram, cada um, 5 leitos de UTI para atendimento a pacientes covid-19 pelo SUS. A UPAE de Petrolina também está recebendo pacientes de Juazeiro. Também há leitos intermediários disponíveis no Hospital Dom Malan. Todos esses leitos citados são para atendimento dos municípios da rede PEBA.

É verdade que o município recebe 16 mil reais por paciente com a covid-19? 

Sobre essa indagação, a Secretaria da Saúde esclareceu que a informação não procede. Em nota, o órgão esclareceu que o único recurso recebido pelo município específico para o combate à covid-19 corresponde ao valor R$ 4,9 milhões, oriundos do Ministério da Saúde. Segundo a secretaria, esse valor foi investido na aquisição de novos equipamentos de proteção individual para os profissionais de saúde, respiradores, testes rápidos, medicamentos, além de outros produtos e serviços necessários para o enfrentamento à pandemia.

O PNB entrou no Portal da Transparência do Município – que tem acesso público – para averiguar a informação. Foi criada uma aba que traz informações especificamente sobre as ações da prefeitura no que diz respeito ao combate e enfrentamento da covid-19. Além do valor de R$ 4,9 milhões, constam ainda outras receitas destinadas ao município, que, somadas, ultrapassam a quantia de R$ 10 milhões.

Na referida aba, consta que Juazeiro recebeu, no mês de abril, do Fundo Nacional de Saúde (FNS), além da quantia de R$ 4.912.429,64, no dia 13, que foi citada pela Secretaria Municipal, mais R$ 123.911,23 no dia 28, totalizando, portanto, R$ 5.036.340,87 no referido mês.

Em maio, constam os valores de R$ 1.220.000,00 e R$ 251.258,97, nos dias 13 e 25, respectivamente. O total de R$ 1.471.258,97 também aparece no site de consulta do FNS. No mês passado, no dia 6, precisamente, o Ministério da Saúde repassou mais R$ 3.272.745,55, valor que também consta no Portal da Transparência municipal.

O PNB pediu esclarecimentos sobre esses outros valores que constam em ambos os portais de consulta. Em nota, a SESAU disse que esses repasses são oriundos de portarias do Ministério da Saúde destinados a hospitais e instituições filantrópicas, como a Associação Sanfranciscana (sanatório), o Hospital Promatre e ainda o Instituto Viver. Consta ainda, no Portal de Transparência de Juazeiro, uma quantia de pouco mais de R$ 370 mil de recebimento de Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) do Ministério Público do Trabalho. A Secretaria não informou, entretanto, como esse valor foi ou deverá ser aplicado.

FNS (foto: reprodução)

Portal da Transparência (foto: reprodução)

As informações dos valores podem ser conferidas no site do Portal da Transparência de Juazeiro e também na aba de consulta do Fundo Nacional de Saúde, do Ministério da Saúde.

Crescimento de casos em Juazeiro preocupa governador

Juazeiro está entre os oito municípios da Bahia que estão com taxa de crescimento de casos da covid-19 acima de 100% nos últimos dez dias, conforme citou o governador Rui Costa (PT) durante live realizada na noite desta quarta-feira (1º). Também integram a lista as cidades de Jaguaquara, Feira de Santana, Dias D’Ávila, Lauro de Freitas, Santo Amaro, Valente e Camaçari.

De acordo com o governador, que fez um comparativo com o total de casos que tinha no dia 21 de junho e ontem (1º), Juazeiro apresentou taxa de crescimento de 127%. Rui Costa classificou a situação como “insuportável sob qualquer aspecto” e afirmou ainda que reuniões foram agendadas com prefeitos locais para que sejam discutidas ações (leia mais).

20 casos por dia em junho

Uma reportagem publicada pelo PNB ontem (1º) mostrou que durante o mês de junho, o número de casos confirmados da covid-19 aumentou cerca de 920% na cidade de Juazeiro. Em média, a cidade baiana registrou 20,7 novos casos, por dia, do novo coronavírus. Juazeiro saltou de 76 casos, no boletim do dia 31 de maio, para 699 confirmações da infecção no dia 30 de junho. Foram 623 diagnósticos positivos para a covid-19 confirmados somente em 30 dias, número que corresponde a cerca de 89% do total.

A quantidade de mortes registradas pela covid-19 também cresceu significativamente em Juazeiro, ao longo do mês de junho. Foram 24 óbitos anunciados pela Secretaria de Saúde nos 30 dias do mês. O número representa um aumento de 700%. Em média, Juazeiro registrou 1,6 óbito a cada dois dias, no mês de junho (leia na íntegra).

Balanço

Juazeiro começou o mês de julho registrando um recorde no número de novos casos do novo coronavírus no período de 24 horas. Só nesta quarta-feira (1º), foram 71 diagnósticos positivos da covid-19. Nesta quinta-feira (2º), o município confirmou 65 novos casos, chegando 839 infectados.

Juazeiro também confirmou o 30º óbito. O paciente era do sexo masculino, tinha 86 anos, e como comorbidade mal de Alzheimer. Ele estava internado no Hospital Regional de Juazeiro. A cidade possui ainda 25 pessoas estão aguardando resultado ou coleta do exame. Juazeiro contabiliza 252 curas clínicas.

Dos 839 casos confirmados, 464 são do sexo feminino, 375 do sexo masculino e deste quantitativo, 85 são profissionais da saúde. A Secretaria ressalta que tem 526 pessoas em isolamento domiciliar, 31 pacientes internados sendo 15 em leitos de UTI e 16 em leitos intermediários, estes em unidades hospitalares pertencentes à rede PEBA e também na UPA da cidade, unidade referência para COVID 19 aos juazeirenses.

Da Redação por Thiago Santos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.